UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Brasileiro que testou ivermectina não foi premiado como ‘melhor médico cientista do mundo’
22.02.2024 - 12h27
Florianópolis - SC
Circula no WhatsApp que um médico brasileiro teria ganhado o título de “Melhor Cientista Médico do Mundo” em reconhecimento a um teste realizado com ivermectina para prevenir e tratar a Covid-19 durante a pandemia. 
A mensagem é acompanhada do vídeo de um programa chamado “Atualidades Pampa”, do Rio Grande do Sul, no qual o radialista, advogado e deputado estadual Gustavo Victorino (Republicanos - RS) homenageia o médico e explica que a premiação foi concedida devido à suposta experiência bem-sucedida de administrar  o antiparasitário para a população da cidade de Itajaí, no litoral de Santa Catarina. É falso
Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:
“Médico de Itajaí SC ganhou TÍTULO DE MELHOR CIENTISTA MÉDICO DO MUNDO por dar Ivermectina pra toda a população! E agora? O que vão dizer os ‘especialistas’ de plantão da globóschta, da rbs, da 'rádia' gaúcha, da zh, e de todas as m...¹³ das suas porquêras afiliadas... que ficaram 25h/dia, 8 dias/semana, 33 dias/mês, 370 dias/ano falando bobagens, espalhando pânico, proibindo isso, proibindo aquilo, ... 1 minuto de silêncio nos jogos ‘em homenagem’ às vítimas da FRAUDEmia, ... ??? DALE BOLSONAROOOOOO E AI PETEZADA???”
– Texto que acompanha vídeo que circula em correntes de WhatsApp
Falso
O médico que testou a ivermectina como prevenção e tratamento da Covid-19 em Itajaí (SC) não ganhou o título de melhor cientista médico do mundo por ter feito um experimento com o antiparasitário — fármaco indicado para tratar sarna e piolho, e não o novo coronavírus.
Na verdade, o endocrinologista Flavio Cadegiani recebeu o Prêmio FLCCC pela Contribuição para a Excelência em Pesquisa, um título inventado e oferecido pela primeira vez pela FLCCC Alliance (sigla em inglês para Linha de Frente de Cuidados Intensivos da Covid-19, em tradução livre), um grupo de médicos e ex-jornalistas criado nos Estados Unidos em 2020.
Esse grupo — do qual Cadegiani é um dos membrosdefende tratamentos comprovadamente ineficazes e não aprovados, como a cloroquina e a ivermectina, entre outros, e já foi duramente criticado e desmentido por cientistas. 
Vale destacar que a premiação não tem o reconhecimento de toda a classe médica e científica internacional. Trata-se de uma iniciativa particular de um grupo de pessoas que defende tratamentos não aprovados por agências de regulação internacionais e sem nenhuma comprovação científica.
A premiação mais importante da área médica no mundo é, atualmente, o Nobel de Medicina e Fisiologia. Na edição mais recente, em 2023, reconheceu os cientistas Katalin Karikó (Hungria) e Drew Weissman (Estados Unidos) pelos estudos que permitiram o desenvolvimento de vacinas eficazes contra a Covid-19 — e não o endocrinologista brasileiro.
O título oferecido a Cadegiani foi dado durante uma conferência paga realizada pela FLCCC Alliance no começo de fevereiro no Arizona. O encontro reuniu médicos negacionistas, “entusiastas” da saúde e público em geral. A escolha dos premiados foi feita pelos próprios integrantes desse grupo de médicos — e não pela comunidade médica e científica internacional.

Médico não comprovou eficácia da ivermectina

A pesquisa com ivermectina realizada pelo endocrinologista na cidade catarinense de Itajaí, citada na publicação, não comprova a eficácia da ivermectina. Passados mais de quatro anos desde que os primeiros testes com esse fármaco foram feitos para identificar se havia ou não alguma ação antiviral contra o SARS-CoV-2, até hoje não foi comprovado que o antiparasitário é, de fato, eficaz para prevenir ou tratar a Covid-19 (página 110).
Atualmente, a ivermectina é contraindicada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e outros órgãos internacionais como tratamento ou prevenção da infecção pelo novo coronavírus. 
O estudo não seguiu metodologias de ensaios clínicos controlados. Foi publicizado pela primeira vez em dezembro de 2021 na plataforma de acesso aberto ResearchGate, que aceita todo tipo de artigo — e não em uma publicação científica revisada por pares. Cadegiani é um dos quatro autores. Em janeiro de 2022, o resultado foi publicado no periódico de ciências médicas Cureus.
Como já explicado pela Lupa, a análise afirmou ter utilizado dados de 220.517 pessoas que passaram por unidades públicas de saúde do município catarinense de Itajaí entre julho e dezembro de 2020. Uma parte daquelas que contraíram a Covid-19 foi dividida em dois grupos de 3.034 pacientes: um com indivíduos que receberam comprimidos de ivermectina e outro que não teve a prescrição ou recusou o medicamento. 
Os autores alegaram que chegaram às duas amostras a partir de um tratamento estatístico de idade, gênero e fatores de risco ao novo coronavírus. Além da diminuição de infecções e hospitalizações entre quem usou a ivermectina de forma preventiva, o artigo aponta uma queda de 48% no número de mortes por Covid-19 nesse público.
Especialistas, contudo, apontaram uma série de falhas metodológicas, como o fato de não ser um ensaio clínico randomizado, a falta de transparência sobre a procedência dos dados e a falta de supervisão sobre como os usuários usaram ou não o fármaco, entre outros.
É válido ainda ressaltar que, na ocasião, apesar da declaração inicial de não ter conflitos de interesse relacionados à ivermectina, Flavio Cadegiani admitiu ter recebido recursos da Vitamedic, uma das farmacêuticas que produzem a substância no país.
O deputado estadual Gustavo Victorino (Republicanos - RS) foi procurado, mas não respondeu até a publicação da matéria. O conteúdo será atualizado em caso de resposta.
Conteúdo similar já foi verificado pelo Boatos.org.

LEIA MAIS

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


16.04.2024 - 17h50
Política
Lula segue recomendação do Ministério da Justiça e sanciona, com veto, PL da ‘saidinha’ de presos

Circula pelas redes sociais que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vetou o PL 2.253, de 2022, que restringe a chamada 'saidinha' de presos. Falta Contexto. Lula sancionou o projeto com veto, o presidente acatou recomendação do Ministério da Justiça e manteve o direito à saída temporária dos presos do semiaberto para visita a familiares.

Catiane Pereira
16.04.2024 - 17h22
Política
Homem que acusa governo brasileiro de solicitar dados de usuários do X não é diretor da rede

Circula nas redes um vídeo no qual um homem alega que o governo brasileiro teria solicitado aos líderes do X, antigo Twitter, informações pessoais dos usuários. Segundo a legenda do post, o homem seria o diretor da plataforma. É falso. A pessoa que aparece no vídeo é um jornalista estadunidense que levantou as tais suposições em uma reportagem.

Evelyn Fagundes
16.04.2024 - 16h27
Política
É falso que Polícia Federal realizou busca e apreensão na casa de Elon Musk

Post alega que a Polícia Federal realizou uma busca e apreensão na casa do empresário Elon Musk, no Vale do Silício, nos Estados Unidos. É falso. A imagem que acompanha o post foi registrada durante a Operação Narcobroker, da Receita Federal, PF e MPF, em novembro de 2020. Além disso, a PF não tem autonomia para atuar em solo estrangeiro.

Maiquel Rosauro
16.04.2024 - 15h18
Política
É falso que dívida da Petrobras nos EUA causou “holocausto econômico” no Brasil

Mensagem diz que teria sido decretado o “holocausto econômico brasileiro”. Segundo o texto, a situação se desencadeou por uma ação nos Estados Unidos contra a Petrobras que gerou uma dívida na casa do trilhão. É falso. O valor é exagerado. Em nota, a empresa contestou o número e disse que suas obrigações judiciais nos EUA já foram cumpridas.

Evelyn Fagundes
16.04.2024 - 14h20
Redes Sociais
É falso que Felipe Neto recebia ordens de Moraes para pedir remoção de posts

Circula nas redes vídeo cuja legenda afirma que Felipe Neto recebia ordens do ministro do STF Alexandre de Moraes para pedir a dirigentes de plataformas no Brasil para banir posts de opositores. É falso. Não há provas que mostrem que Felipe Neto recebia ordens de Moraes ou de que o influenciador teria influência para remover posts

Ítalo Rômany
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital