UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Não é filho de Lula homem que agride mulher em vídeo viral
10.04.2024 - 16h01
Florianópolis - SC
Circula pelas redes sociais um vídeo com cenas chocantes no qual um homem agride uma mulher com tapas, socos, empurrões, puxões de cabelo e pontapés. A gravação tem quase três minutos de violência. A legenda sugere que o agressor seria Lulinha, apelido de um dos filhos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). É falso.
Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:
“Se vc não conhece e não sabe, esse é o tal de 'lulinha' filho do tal de Luladrão fazendo carinho e dengos na esposa e as feministas e o pessoal do mimimi (globo) estão caladinhos, imagina o berreiro que seria se fosse um dos filhos do Bolsonaro…”
– Legenda de vídeo que circula no WhatsApp
Falso
O agressor flagrado no vídeo não é nenhum dos filhos do presidente Lula. O homem que aparece nas imagens já foi identificado pela Polícia Civil do Distrito Federal e se chama Gabriel da Silva Teixeira. Em fevereiro, ele era procurado pela polícia.
O crime ocorreu em 7 de janeiro de 2024 em Samambaia, região administrativa do Distrito Federal. O criminoso era companheiro da vítima e a espancou dentro do apartamento dela, onde as cenas foram gravadas por uma câmera de segurança. As imagens da violência foram divulgadas em 28 de fevereiro e foram veiculadas em diversos veículos de imprensa, como o Correio Braziliense e o portal G1.  
A gravação divulgada na imprensa é a mesma que agora circula em correntes de WhatsApp com uma legenda falsa, que enganosamente atribui o crime a Lulinha, apelido de Fábio Luís Lula da Silva — o que não é verdade. Já no dia 25 de janeiro, cerca de duas semanas após o crime, a Polícia Civil do Distrito Federal divulgou foto e nome do agressor, então já procurado pela corporação.
Por telefone, a Delegacia Especial de Atendimento à Mulher I da Polícia Civil do Distrito Federal confirmou o registo dessa ocorrência contra Gabriel da Silva Teixeira em janeiro.
Em 28 de fevereiro, quando as cenas da câmera de segurança foram divulgadas, a vítima falou em entrevista ao telejornal Bom Dia DF que o ex-companheiro ficava agressivo após ingestão de bebida alcoólica. Como mostram as imagens que circularam no WhatsApp, ela tentou sair de casa, mas o agressor a impediu. A mulher chegou a ficar desacordada após o espancamento. 

Filho caçula de Lula foi acusado de violência doméstica

O vídeo com cenas de agressão começou a circular com legendas enganosas dias depois que o filho caçula de Lula, Luis Claudio da Silva — e não Lulinha —, foi acusado de violência doméstica pela ex-mulher. Ela registrou um boletim de ocorrência no dia 2 de abril na Delegacia da Mulher de São Paulo
A ex-companheira denunciou ter sofrido violência física, moral e psicológica. Segundo ela, Luis Claudio a teria agredido com uma cotovelada na barriga em uma das brigas em janeiro deste ano. A Justiça de São Paulo concedeu medida protetiva. 
Embora a denúncia de violência contra Luis Claudio da Silva tenha sido divulgada, não há registros públicos de vídeos que mostrem as agressões atribuídas a ele.

LEIA MAIS

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


18.05.2024 - 16h51
Rio Grande do Sul
É falso que barragem da Usina 14 de Julho causou enchente no RS; vídeo é antigo

Vídeo que circula nas redes sociais afirma que a abertura de comportas das barragens do Rio das Antas e do Rio Carreiro teria resultado nas enchentes do Rio Grande do Sul. É falso. Trata-se de um vídeo antigo que não tem relação com as recentes enchentes. Além disso, as barragens citadas não têm capacidade de impactar nas cheias.


Evelyn Fagundes
18.05.2024 - 12h46
Rio Grande do Sul
Vídeo de resgate de criança por civis em enxurrada foi gravado na Turquia, não no RS

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra o resgate de duas pessoas em uma enchente. A legenda afirma se tratar do salvamento de duas crianças que ocorreu recentemente no Rio Grande do Sul. É falso. A gravação mostra o resgate de uma mulher e de uma criança em março de 2023 na Turquia.

Catiane Pereira
18.05.2024 - 09h46
Rio Grande do Sul
É falso que 2 mil corpos foram congelados em frigorífico de Canoas (RS)

Vídeo nas redes sociais alega que estão congelando corpos em câmaras frigoríficas no bairro Mathias Velho, em Canoas (RS). É falso. O Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul e a Prefeitura de Canoas desmentiram o boato. Além disso, o boletim da Defesa Civil, divulgado às 9h de sábado (18), aponta 22 óbitos em Canoas.

Catiane Pereira
17.05.2024 - 17h30
Rio Grande do Sul
É falso que foram destruídas doações para o RS mostradas em vídeo viral

Circula nas redes sociais um vídeo alegando que doações enviadas para o Rio Grande do Sul foram destruídas. É falso. Trata-se de um registro de 2023, em que donativos estavam sendo movidos por uma retroescavadeira para organizar o local. O conteúdo desinformativo ainda conta com outras narrativas falsas.


Evelyn Fagundes
16.05.2024 - 17h15
Rio Grande do Sul
É falso que lista com 53 nomes seja de crianças desacompanhadas em abrigo na Ulbra, em Canoas

Circula pelas redes sociais uma lista com supostos nomes de crianças sem seus responsáveis que estariam abrigadas no Campus da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), em Canoas (RS). É falso. Na verdade a lista traz os nomes de pessoas desabrigadas e que foram acolhidas em outro local, não de crianças desacompanhadas.

Catiane Pereira
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital