UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Homem que acusa governo brasileiro de solicitar dados de usuários do X não é diretor da rede
16.04.2024 - 17h22
Rio de Janeiro - RJ
Circula nas redes sociais um vídeo em que um homem alega que o governo brasileiro teria solicitado aos líderes do X, antigo Twitter, informações pessoais dos usuários. Segundo a legenda do post, o homem seria o diretor da plataforma. É falso.
Por WhatsApp, leitores sugeriram que o conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:
DIRETOR DO X NO BRASIL FAZ REVELAÇÕES BOMBÁSTICAS SOBRE ALEXANDRE DE MORAES
– Legenda do vídeo que circula nas redes sociais
Falso
Ao contrário do que afirma a narração e a legenda do vídeo, o homem que aparece no conteúdo não é diretor do X. Trata-se do jornalista estadunidense Michael Shellenberger, que estava discorrendo, em entrevista ao Poder 360, sobre sua reportagem que acusa o governo brasileiro de solicitar informações pessoais dos usuários do X. 
Shellenberger foi entrevistado pelo Poder 360 no dia 9 de abril deste ano para falar sobre a “Twitter Files Brazil”, reportagem assinada pelo jornalista que revela –  por meio de dados que teriam sido liberados pelo empresário Elon Musk – supostos e-mails de líderes do X entre 2020 e 2022. Segundo Shellenberger, foram encontrados diversos registros de e-mails de funcionários do setor Judiciário brasileiro solicitando, à equipe jurídica do X, dados pessoais de usuários que usavam hashtags sobre as eleições.
Na transmissão, o jornalista menciona que o governo do Brasil  ameaçou um advogado brasileiro do X ao solicitar as informações pessoais dos usuários da plataforma. Ao ser perguntado, ainda na entrevista, sobre qual instância específica Shellenberger estaria se referindo ao dizer “governo brasileiro”, o estadunidense diz “Congresso brasileiro, promotor de São Paulo e, ao final, do TSE, do Alexandre de Moraes, diretamente”. No entanto, posteriormente, o jornalista se contradiz e afirma que o e-mail não veio do presidente do Tribunal Superior Eleitoral. 
No dia 11 de abril, Michael Shellenberger recuou novamente e disse, no X, que não teria provas de que Alexandre de Moraes tenha “ameaçado processar criminalmente o advogado brasileiro do Twitter”. O reposicionamento repercutiu na mídia. No mesmo dia, ele participou de uma sessão na Comissão de Comunicação e Direito Digital (CCDD) para falar sobre as supostas interferências de autoridades brasileiras no X a convite do senador Magno Malta (PL-ES), que apoia a investigação sobre o assunto. 
Os prints divulgados pelo jornalista, em referência ao “Twitter Files Brazil”, mostram um suposto e-mail de 2020 alegando que o Congresso Nacional teria solicitado o conteúdo de mensagens de usuários pertencentes a um grupo na plataforma, mesmo não havendo decisão sobre a legitimidade judicial dessa solicitação. 
Além disso, Shellenberger compartilhou um outro print sobre uma investigação em que o Ministério Público solicitou ao X dados cadastrais de um usuário. No entanto, o processo em questão não tem relação com as eleições. Em 2021, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), vinculado ao MP, solicitou ao Twitter dados de uma conta para uma investigação voltada para a prisão de um líder do PCC. A empresa negou-se a fornecer os dados.

Leia mais


Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


18.05.2024 - 16h51
Rio Grande do Sul
É falso que barragem da Usina 14 de Julho causou enchente no RS; vídeo é antigo

Vídeo que circula nas redes sociais afirma que a abertura de comportas das barragens do Rio das Antas e do Rio Carreiro teria resultado nas enchentes do Rio Grande do Sul. É falso. Trata-se de um vídeo antigo que não tem relação com as recentes enchentes. Além disso, as barragens citadas não têm capacidade de impactar nas cheias.


Evelyn Fagundes
18.05.2024 - 12h46
Rio Grande do Sul
Vídeo de resgate de criança por civis em enxurrada foi gravado na Turquia, não no RS

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra o resgate de duas pessoas em uma enchente. A legenda afirma se tratar do salvamento de duas crianças que ocorreu recentemente no Rio Grande do Sul. É falso. A gravação mostra o resgate de uma mulher e de uma criança em março de 2023 na Turquia.

Catiane Pereira
18.05.2024 - 09h46
Rio Grande do Sul
É falso que 2 mil corpos foram congelados em frigorífico de Canoas (RS)

Vídeo nas redes sociais alega que estão congelando corpos em câmaras frigoríficas no bairro Mathias Velho, em Canoas (RS). É falso. O Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul e a Prefeitura de Canoas desmentiram o boato. Além disso, o boletim da Defesa Civil, divulgado às 9h de sábado (18), aponta 22 óbitos em Canoas.

Catiane Pereira
17.05.2024 - 17h30
Rio Grande do Sul
É falso que foram destruídas doações para o RS mostradas em vídeo viral

Circula nas redes sociais um vídeo alegando que doações enviadas para o Rio Grande do Sul foram destruídas. É falso. Trata-se de um registro de 2023, em que donativos estavam sendo movidos por uma retroescavadeira para organizar o local. O conteúdo desinformativo ainda conta com outras narrativas falsas.


Evelyn Fagundes
16.05.2024 - 17h15
Rio Grande do Sul
É falso que lista com 53 nomes seja de crianças desacompanhadas em abrigo na Ulbra, em Canoas

Circula pelas redes sociais uma lista com supostos nomes de crianças sem seus responsáveis que estariam abrigadas no Campus da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), em Canoas (RS). É falso. Na verdade a lista traz os nomes de pessoas desabrigadas e que foram acolhidas em outro local, não de crianças desacompanhadas.

Catiane Pereira
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital