UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que Tiradentes fugiu para a França e não foi enforcado
24.04.2024 - 10h52
João Pessoa - PB
Circula nas redes sociais um post publicado pelo deputado federal Luiz Philippe de Orléans e Bragança (PL-SP) que afirma que Tiradentes não foi enforcado, mas fugiu para a França e retornou ao Brasil anos depois com o apoio de Dom João VI. É Falso.
Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:
Tiradentes | Após seu suposto enforcamento e esquartejamento, Joaquim José da Silva Xavier embarcou para a França, onde viveu muito bem, criando até família. Anos depois, voltou ao Brasil, por sugestão de D. João VI, e montou uma 'botica', no Rio de Janeiro. É curioso que sua existência nunca tenha sido divulgada durante o Brasil Imperial. Naquela época existia imprensa livre e majoritariamente republicana. A menção à sua figura surge com ares de mito após o Golpe Militar de 1889. Como era alferes, ou tenente, foi convenientemente alçado a herói militar da Independência, ou da República, uma vez que era esse o objetivo dos inconfidentes. Registros da época atestam sua saída do Brasil antes de sua execução, pois recebeu o perdão real. A Verdade sempre aparece.
– Legenda de post que circula no WhatsApp
Falso
Ao contrário do que diz o post do deputado, não há evidências que provem que Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, não foi enforcado. Também não há indícios de que ele tenha fugido para Paris e em seguida retornado ao Brasil. De acordo com o escritor Lucas Figueiredo, autor da biografia de Tiradentes pela Editora Companhia das Letras, os milhares de documentos que compõem o processo judicial da Conjuração Mineira, conhecidos como Autos da Devassa da Inconfidência Mineira, não deixam margem a dúvidas de que Tiradentes foi condenado e, em seguida, enforcado.
Joaquim José da Silva Xavier foi um mártir da Inconfidência Mineira — conspiração ocorrida em 1789 contra o domínio português. Por causa desse episódio, foi preso em maio de 1789 e executado em 21 de abril de 1792, na Praça da Lampadosa (atual Praça Tiradentes), no centro do Rio de Janeiro. Após o enforcamento, sua cabeça foi cortada e o corpo esquartejado. 
Figueiredo lembra que dois frades acompanharam o julgamento, a leitura da sentença, bem como a execução de Tiradentes — eles foram escolhidos por seus superiores para dar auxílio religioso. Ambos deixaram registros escritos sobre o episódio. 
A saída de Tiradentes da prisão após a leitura da sentença, o caminho percorrido a pé até a forca e o enforcamento em si foram relatados com detalhes nos textos. Um dos escritos é “Memória do êxito que teve a Conjuração Mineira e dos fatos relativos a ela acontecidos nesta cidade do Rio de Janeiro desde 17 até 26 de abril de 1792”, de 2 de maio de 1792. O outro, “Últimos momentos dos inconfidentes de 1789 pelo frade que os assistiu de confissão", foi escrito pelo frade que acompanhou o julgamento, Raimundo da Anunciação Penaforte. (Revista do Instituto Histórico Geográfico Brasileiro, tomo 44, parte 1, 1881, pp.161-85).
A condução dos restos mortais de Tiradentes, do Rio de Janeiro a Minas, também foi registrada pela burocracia colonial e consta nos Autos da Devassa da Inconfidência Mineira, volume 9 (páginas 149-150).
A parada final da comitiva com os restos mortais de Tiradentes foi Vila Rica (atual Ouro Preto). Lá, conforme conhecido pelos livros de história, teve a cabeça espetada num mastro, que foi levantado na praça central da cidade. O encerramento da cerimônia se deu com uma sessão solene da Câmara de Vila Rica, que contou com a presença do governador, de vereadores e do bispo, entre outras autoridades. 

Não há provas que Tiradentes fugiu

O professor Álvaro de Araujo Antunes, do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Ouro Preto, lembra que a versão de que Joaquim José da Silva Xavier (Tiradentes) teria fugido para a França foi apresentada por um ex-bancário especialista em grafologia, Marcos Corrêa. Ele teria encontrado semelhanças entre a assinatura de Tiradentes e a de um tal Antonio Xavier de Sousa em uma relação de pessoas que estiveram presentes na Assembleia Nacional francesa, em 1793. Mas isso nunca foi provado, afirma o professor.
Antunes lembra que, embora "livre", a imprensa no regime imperial estava submetida à Constituição de 1824, que no seu artigo 179 definia: “Todos podem comunicar os seus pensamentos por palavras, escritos, e publicá-los pela imprensa sem dependência de censura, contanto que haja de responder pelos abusos que cometerem no exercício desse direito, nos casos e pela forma que a lei determinar”. 
"Para a época, noticiar que D. João VI ajudou um criminoso de lesa-majestade, não cumprindo com a sentença de sua mãe, D. Maria I, seria uma calúnia punível por lei, quando não um atentado à monarquia", reforça o professor Álvaro Antunes.

Outro lado

A reportagem enviou e-mail para o gabinete do deputado federal Luiz Philippe de Orléans e Bragança (PL-SP), mas não houve retorno.

LEIA MAIS
Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco.
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


18.05.2024 - 09h46
Rio Grande do Sul
É falso que 2 mil corpos foram congelados em frigorífico de Canoas (RS)

Vídeo nas redes sociais alega que estão congelando corpos em câmaras frigoríficas no bairro Mathias Velho, em Canoas (RS). É falso. O Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul e a Prefeitura de Canoas desmentiram o boato. Além disso, o boletim da Defesa Civil, divulgado às 9h de sábado (18), aponta 22 óbitos em Canoas.

Catiane Pereira
17.05.2024 - 17h30
Rio Grande do Sul
É falso que foram destruídas doações para o RS mostradas em vídeo viral

Circula nas redes sociais um vídeo alegando que doações enviadas para o Rio Grande do Sul foram destruídas. É falso. Trata-se de um registro de 2023, em que donativos estavam sendo movidos por uma retroescavadeira para organizar o local. O conteúdo desinformativo ainda conta com outras narrativas falsas.


Evelyn Fagundes
16.05.2024 - 17h15
Rio Grande do Sul
É falso que lista com 53 nomes seja de crianças desacompanhadas em abrigo na Ulbra, em Canoas

Circula pelas redes sociais uma lista com supostos nomes de crianças sem seus responsáveis que estariam abrigadas no Campus da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), em Canoas (RS). É falso. Na verdade a lista traz os nomes de pessoas desabrigadas e que foram acolhidas em outro local, não de crianças desacompanhadas.

Catiane Pereira
16.05.2024 - 16h33
Enchentes no RS
É falsa a imagem viral que mostra helicóptero da Havan em resgate no RS

Circula nas redes sociais a imagem de um suposto resgate realizado por um helicóptero da rede de lojas de departamento Havan no Rio Grande do Sul. É falso. A imagem foi gerada por inteligência artificial. A Havan confirmou que a aeronave não pertence à empresa. Ferramentas de identificação de IA também apontam que a foto foi gerada artificialmente. 


Gabriela Soares
16.05.2024 - 16h28
Rio Grande do Sul
Jornalista Daniela Lima não disse que é falso que voluntários estão salvando o Rio Grande do Sul

Post alega que a jornalista Daniela Lima, da Globo News, afirmou que é falso que quem está salvando o Rio Grande do Sul são os civis e voluntários. É falso. Trata-se de uma manipulação do vídeo no qual ela explica que o primeiro eixo de desinformação sobre as enchentes é “a ideia de que o Estado nada faz”. 

Maiquel Rosauro
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital