UOL - O melhor conteúdo
Lupa
5 passos para não desinformar em meio à tragédia do RS
07.05.2024 - 13h12
Rio de Janeiro - RJ
Desde a última semana, o Rio Grande do Sul está literalmente debaixo d'água em um cenário inédito e de crise extrema. Ser racional em momentos como esses não é simples, mas ainda é possível. E, sobretudo, necessário. Caso contrário, conteúdos desinformativos podem ser difundidos, o que se torna ainda mais grave e perigoso em cenários de catástrofe ambiental. Pode, inclusive, custar vidas. 
Por isso, a Lupa te mostra 5 passos a seguir para não desinformar em meio à tragédia.
1. Cuidado com informações divulgadas às pressas 
Em momento de crise e desespero, o cenário fica ainda mais propício para a circulação de desinformações. Por mais que seja um momento marcado por urgências, é preciso ter calma ao repassar uma notícia. 
Uma das primeiras verificações sobre as chuvas no RS feitas pela Lupa, envolveu uma foto em circulação nas redes sociais que supostamente mostraria o nível atingido pela água no muro do Cais Mauá, na capital Porto Alegre. A informação é falsa, tendo sido desmentida no mesmo dia pelo Departamento Municipal de Águas e Esgotos, em seu perfil oficial no X. 
Todos os conteúdos da Lupa são gratuitos, mas precisamos da sua ajuda para seguir dessa forma. Clique aqui para fazer parte do Contexto e apoiar o nosso trabalho contra a desinformação.
Mas mesmo o desmentido publicado em contas e notas oficiais pode desinformar – ainda que de forma não proposital. Foi o que aconteceu com a declaração do prefeito de Canoas, Jairo Jorge (PSD), ao afirmar que nove pacientes da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital de Pronto Socorro de Canoas, município da região Metropolitana de Porto Alegre, morreram após o local ser inundado pelas chuvas. 
A informação é falsa e foi desmentida no mesmo dia pelo próprio prefeito, em razão de uma falha na comunicação com o secretário de Saúde do município. 
2. Esteja atento ao contexto 
Alguns conteúdos em circulação pelas redes associam imagens e vídeos referentes a outras situações como se fossem registros das trágicas chuvas ocorridas no estado do Rio Grande do Sul nos últimos dias. 
É o caso da imagem do governador Eduardo Leite, que sugere que o político estaria assistindo a um show da cantora Ivete Sangalo nos últimos dias. O problema é que falta contexto. A imagem de fato é verdadeira, mas foi registrada em 30 de setembro de 2023 – quando o estado gaúcho também enfrentava uma crise em razão de enchentes e grande volume de chuva. Ainda assim, utilizada como suposto registro recente, a foto desinforma. 
Algo parecido acontece em outro vídeo, que mostra o Presidente Lula sendo vaiado pela população em sua chegada ao Rio Grande do Sul. De fato, a cena aconteceu, no entanto, trata-se de um registro feito no mês de março de 2024, quando o presidente esteve no estado para cumprir agendas oficiais. 
3. Se pergunte sobre o papel das imagens de catástrofe
Imagens podem ter função importante, informativa, ajudando na identificação e descrição da situação. Podem inclusive contribuir para a localização e salvamento de pessoas isoladas, por exemplo. 
Mas podem também atrapalhar, gerar gatilhos emocionais e confundir a população sobre a realidade e o contexto dos fatos, estimulando apenas o sensacionalismo. 
Por isso, procure saber a origem da imagem – seja ela uma foto ou um vídeo. Se preciso, utilize mecanismos de busca reversa nos principais navegadores, para saber a data da primeira vez em que a imagem foi publicada. 
4. Escute o áudio mais de uma vez, se tiver tom alarmista 
Muitos áudios em circulação mostram o nível de nervosismo e desespero de pessoas envolvidas direta ou indiretamente nos alagamentos. Por isso mesmo, muitos deles podem conter informações incompletas ou distorcidas. 
Mesmo que de forma não intencional, esse tipo de conteúdo pode atrapalhar no entendimento do status real de determinada situação, como o isolamento de uma família, a necessidade de resgate ou a busca por corpos desaparecidos.  
Foi exatamente o caso de um áudio verificado pela Lupa. Na gravação que circula nas redes sociais, um homem alega que 300 corpos foram encontrados no Bairro Mathias Velho, em Canoas-RS, durante os trabalhos de evacuação na região. Mas a informação é falsa, já que um levantamento da Defesa Civil do RS, divulgado no domingo, informava que até então 75 mortes tinham sido registradas em todo o Estado devido às chuvas e enchentes, apenas 1 delas em Canoas. 
Por isso, escute com calma, procure entender as informações no detalhe e identificar a voz de quem está falando – ainda que em alguns casos não seja possível. Quando não tiver tais informações, envie o áudio para uma agência de checagem e solicite a verificação da informação.
5. Evite narrativas únicas
Busque diferentes fontes confiáveis para entender os diferentes lados da história. Acontecimentos como estes dificilmente ocorrem por apenas uma causa isolada.
Em geral, são desdobramentos de uma conjuntura, situações que envolvem fatores ambientais, sociais, geográficos, econômicos e políticos. 
Nesse sentido, o ideal é procurar se informar a partir de diferentes fontes confiáveis. Entre elas estão os veículos de imprensa de grande circulação, agências de checagem e comunicados oficiais do governo e de seus órgãos associados, como Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Civil. 

LEIA MAIS

Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Notícia
Conteúdo de hard news sobre eventos relevantes referentes à desinformação.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


09.05.2024 - 08h45
Tragédia no Sul
Pix: veja como se proteger de golpes em doações para o RS

O ímpeto de contribuir com a situação e ajudar as vítimas da crise que vive o estado do Rio Grande do Sul pode se transformar em combustível para criminosos, que se aproveitam do cenário de instabilidade e do espírito voluntário da população para confundi-la.

Victor Terra
08.05.2024 - 18h35
Tragédia no Sul
Enchentes no RS: piadas e memes são outro desastre na tragédia

O sofrimento capturado em fotos e vídeos se transformou, para alguns, em material para memes e comentários insensíveis. Especialmente em contextos de dor e perdas coletivas, é fundamental entender os limites entre humor e responsabilidade social.

Raphael Kapa
07.05.2024 - 13h12
Tragédia no Sul
5 passos para não desinformar em meio à tragédia do RS

Em cenários de catástrofe ambiental, conteúdos desinformativos se tornam ainda mais graves e perigoso, podendo custar vidas

Victor Terra
14.03.2024 - 11h44
Entrevista
Fakes são parte de disputa narrativa pela memória da Marielle, diz viúva Monica Benicio

Em entrevista exclusiva à Lupa, a vereadora Monica Benicio (PSOL-RJ) falou sobre ataques e desinformação em torno de Marielle Franco, com quem foi casada. Para Monica, existe hoje uma disputa política a respeito da memória de Marielle. Ela também destaca a importância da regulamentação das redes sociais para coibir crimes ligados às fakes. 

Nathallia Fonseca
13.03.2024 - 08h00
Desinformação
Levantamento inédito revela perfil e aumento na circulação de fakes envolvendo IA

Ferramenta que reúne checagens profissionais feitas em todo o mundo mostra que, em 12 meses, a média de verificações que tratam de IA está em alta em diversos idiomas, inclusive em português. Em um ano, checadores brasileiros publicaram 19 conteúdos do tipo

Cristina Tardáguila
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital