UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Número de desastres por chuvas cresceu 365% no RS em três décadas
10.05.2024 - 10h45
Rio de Janeiro - RJ
Ação dos bombeiros no bairro Mathias Velho, em Canoas (Foto: Gustavo Mansur/Palácio Piratini/Divulgação)
O número de desastres provocados por mau tempo aumentou 365% no Rio Grande do Sul em três décadas. É o que indicam dados do Atlas Digital de Desastres no Brasil sobre incidentes ocorridos no estado em 32 anos. 
Dos 4.007 desastres contabilizados, 1.943 ocorreram entre 2013 e 2022, contra apenas 417 entre 1991 e 2000 — primeira década da série histórica registrada no projeto, fruto da colaboração entre o Banco Mundial e a Universidade de Santa Catarina (UFSC). 
A base de dados revela outra informação alarmante: os incidentes registrados nos últimos dez anos correspondem ainda a 48,4% do total de desastres no período monitorado.
O aumento violento da intensidade e frequência dos eventos extremos impulsionou as perdas. Os prejuízos relacionados a desastres provocados pelas chuvas no Rio Grande do Sul em 20 anos chegam, em valores corrigidos pelo IGP-DI em 2022, a cerca de R$ 22,5 bilhões.
Para chegar às cifras e percentuais apresentados nesta reportagem, foram examinadas pela Lupa apenas as tipologias de desastres desencadeados por chuvas e fenômenos correlatos, excluindo-se incêndios, períodos de estiagem, doenças infecciosas virais e ondas de frio ou calor. Entretanto, é importante ressaltar que alguns dos desastres relatados, como o rompimento de barragens, podem ter eventualmente outra origem.
Todos os conteúdos da Lupa são gratuitos, mas precisamos da sua ajuda para seguir dessa forma. Clique aqui para fazer parte do Contexto e apoiar o nosso trabalho contra a desinformação.

Prejuízos se avolumam

Dos prejuízos estimados pelo Atlas no RS, cerca de R$ 19,91 bilhões se referem a perdas relacionadas ao setor privado em 20 anos. O restante, pouco mais de R$ 2,61 bilhões, refere-se a danos no setor público. Quando se observa apenas o valor perdido em infraestrutura, independente do setor, por outro lado, a cifra é de R$ 4,18 bilhões. 
Os impactos também podem ser observados por área. Os prejuízos na habitação foram estimados em R$ 2,26 bilhões. Por sua vez, as perdas na saúde e na educação foram relativamente menores, totalizando cerca de R$ 85 milhões e R$ 121 milhões, respectivamente.
Os dados do Atlas ainda apontam que 88,4% dos prejuízos totais estão relacionados à economia do estado, chegando a R$ 19,9 bilhões. As maiores perdas foram na agricultura, de aproximadamente R$ 16,72 bilhões. Em segundo lugar, ficou a pecuária (R$ 1,74 bilhão), seguida por serviços (R$ 816 milhões) e indústria (R$ 612 milhões).
O impacto nas áreas rurais pode ser constatado quando se analisa o ranking das cidades mais afetadas economicamente. A maioria delas tem forte tradição agrícola. As dez cidades gaúchas com mais perdas relacionadas ao mau tempo totalizam cerca de R$ 5 bilhões em prejuízos em 20 anos. Juntas, elas correspondem a 22% do total do estado entre 2003 e 2022. No topo da lista, está Dom Pedrito, na Fronteira Oeste, com danos estimados em R$ 922,4 milhões nesse período. 
Outros municípios próximos se destacam na lista: Itaqui (R$ 706 milhões), Vacaria (R$ 616 milhões), São Gabriel (R$ 589,23 milhões), Uruguaiana (R$ 547,28 milhões), São Borja (R$ 394,09 milhões), Rosário do Sul (R$ 370,65 milhões), São Lourenço do Sul (R$ 301,23 milhões), Alegrete (R$ 283,29 milhões) e Santana do Livramento (R$ 278,15 milhões).

Perdas nos municípios

A base de dados atualizada até 2021 pelo Centro de Estudos e Pesquisas em Engenharia e Defesa Civil da UFSC e atualmente mantida pelo Departamento de Articulação e Gestão da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, do Ministério da Integração e Desenvolvimento Regional, indica que cidades da área central do estado (regiões dos vales dos rios Taquari e Rio Pardo, duramente atingidas agora) e da Fronteira Oeste (próxima de Argentina e Uruguai) são as mais frequentemente afetadas por chuvas que causam grandes estragos desde 1991. 
A principal fonte oficial de informações históricas sobre desastres no país, idealizada para embasar políticas públicas, pesquisas e iniciativas relacionadas à gestão de riscos, indica que a cidade de Santa Cruz do Sul registra o maior número de desastres. Foram 62 incidentes provocados por enxurradas em três décadas. 
Dois municípios aparecem empatados em segundo lugar, Cachoeira do Sul e São Jerônimo, com 31 registros cada. Outros dez anotaram ao menos 20 desastres no mesmo período: Sobradinho (28), Soledade (27), Rio Pardo (24), Estrela (23), Fontoura Xavier (22), Santa Maria (22), Canguçu (21), Eldorado do Sul (20), Montenegro (20) e Venâncio Aires (20). Já a região metropolitana de Porto Alegre, devastada agora pelas enchentes, não aparece entre os locais mais frequentemente atingidos por desastres climáticos nas últimas décadas.

LEIA MAIS

Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Reportagem
Conteúdo investigativo que aborda temas diversos relacionados a desinformação com o objetivo de manter os leitores informados.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


17.06.2024 - 19h35
Direito das Mulheres
Senadores usam religião e desinformação para defender o PL do aborto

O Plenário do Senado foi palco de falas distorcidas, contraditórias e com forte teor religioso sobre o direito das mulheres ao aborto legal, mesmo em caso de estupro. Na "Sessão de Debates sobre assistolia fetal para interrupção de gravidez”, que só teve participantes contrários ao aborto, senadores espalharam desinformação sobre o PL do Aborto.   

Carol Macário
29.05.2024 - 18h35
Saúde da mulher
Assistolia fetal: procedimento em pauta no STF gera onda de desinformação nas redes

O impasse diante do julgamento de uma ação no STF sobre a norma do CFM que dificulta o aborto legal tem aumentado a circulação de posts com potencial desinformativo sobre o aborto, diz estudo da FGV. As postagens disseminam informações distorcidas sobre a técnica conhecida como assistolia fetal, usada em casos acima de 22 semanas de gravidez.

Ítalo Rômany
29.05.2024 - 11h00
Internacional
Com 117 canais de Telegram e 15 perfis no X, Rússia busca aliados latinos

A migração de russos à América Latina cresceu desde o início da guerra na Ucrânia. Com ela, também cresceu a propaganda russa na região. Apostando em mensagens feitas em português e espanhol, Moscou utiliza canais no Telegram e no X para tratar EUA e OTAN como ameaças, justificar a guerra na Ucrânia e se promover como bastião da justiça mundial.

Fernando Trincado
28.05.2024 - 12h02
Internacional
Rússia usa X e Telegram para mentir e atacar vencedor do Oscar na América Latina

'20 dias em Mariupol' irritou a diplomacia russa e é alvo de desinformação que circula na América Latina. Ao atacar o premiado documentário, Moscou quer negar o inegável. Diz que o hospital materno-infantil que atacou estava vazio, repetindo tática desinformativa que marcou ações em Bucha e em torno do ato terrorista no Crocus Hall.

Catalina Roig
27.05.2024 - 17h24
Teorias conspiratórias
De Chuva artificial a lockdown climático: posts geram caos sobre enchentes no RS

Teorias conspiratórias sobre as enchentes no Rio Grande do Sul não param de circular nas redes: desde posts afirmando que as chuvas foram "fabricadas em laboratórios" e pulverizadas por aviões, até um complô global. Publicações alarmistas disseminam, sem provas, que os próximos passos dessa conspiração serão desapropriação e "lockdown climático".

Ítalo Rômany
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital