UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Prefeitura de Canoas não “legalizou” roubo de doações em decreto
11.05.2024 - 18h36
João Pessoa - PB
Circula nas redes sociais um post afirmando que a prefeitura de Canoas publicou um decreto que "legaliza" o roubo de doações. De acordo com a mensagem, a gestão municipal agora pode tomar as doações de qualquer centro de voluntários para utilizar nos centros de defesa civil sem aviso prévio. É falso.
Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:
Prefeito de Canoas legalizou o roubo de doações. A prefeitura de Canoas RS agora PODE TOMAR AS DOAÇÕES privadas de qualquer local (caminhão, abrigo, casas?) para utilizar nos centros de defesa civil SEM AVISO PRÉVIO
– Legenda de post que circula no WhatsApp
Falso
Ao contrário do que diz o post, o decreto nº 182, de 10 de maio de 2024 — que faz referência ao decreto 174, de 4 de maio de 2024 — não tem como objetivo "legalizar" o roubo de doações de centros de voluntários, como alega o post enganoso. Segundo a prefeitura de Canoas, a requisição administrativa tem como objetivo acelerar a compra de produtos de necessidade básica, como alimentos, materiais de limpeza e higiene pessoal. Com o decreto, por exemplo, é possível adquirir esses e outros produtos, como água potável, de forma mais rápida. 
Em nota, a prefeitura de Canoas garantiu que não está se apropriando de doações. "Em hipótese alguma, a Requisição Administrativa se aplica a doações de pessoas físicas, instituições públicas ou privadas, instituições religiosas ou qualquer formato de doação. A modalidade de compra rápida não tem a ver com o confisco de doação, portanto, a  informação de que isso está acontecendo é uma mentira. Isso não ocorreu na cidade de Canoas", diz a nota.
O prefeito de Canoas, Jairo Jorge (PSD), publicou em sua conta no Instagram um vídeo em que lamenta os posts enganosos sobre o decreto. "Tem gente que acha que entende de lei e está espalhando fake news. A prefeitura está requisitando dos grandes atacadistas para poder comprar, a prefeitura comprou 10 mil cestas básicas, não está requisitando de ninguém, de nenhum centro de voluntários. As pessoas podem doar o que quiserem. Vamos parar de mentiras", criticou. 

O que diz o decreto

Em seu texto, o decreto 174, de 4 de maio de 2024, determina a requisição administrativa de bens particulares em razão da necessidade de enfrentamento de situação de emergência que o município está enfrentando. "A complementação desta requisição far-se-á mediante Ordem de Fornecimento, a qual indicará a especificação dos itens a serem fornecidos e de sua quantidade, terá caráter coercitivo e deverá ser cumprida de forma imediata". 
Em nenhum momento do decreto há qualquer menção de que a prefeitura de Canoas vai tomar todas as doações privadas para si. Contudo, a assessoria da prefeitura também explicou que, para que não haja mais dúvidas, a gestão adicionará um parágrafo único no decreto explicando a natureza jurídica da Requisição Administrativa.  
"Os processos licitatórios emergenciais, normalmente, levam de 4 a 7 dias úteis para serem efetivados. Um tempo que a cidade não poderia esperar, visto a urgência da calamidade que o município enfrenta. Por isso, a Prefeitura adotou a Requisição Administrativa que, até o momento, permitiu de forma célere a aquisição de 10 mil cestas básicas, colchões, sacolas plásticas, rodos, vassouras, cobertores, mantas, toalhas de banho, lençóis, fronhas, pratos descartáveis, além de lanternas e barcos para operar na linha de frente".
– Trecho da nota da prefeitura de Canoas 
Na sexta-feira (10), a prefeitura publicou um anexo ao decreto de 4 de maio, atualizando a lista de bens a serem requisitados, incluindo lanternas, vassouras, rodos, dentre outros — materiais que não estavam contemplados na requisição anterior. 
Em entrevista para a Rádio Gaúcha neste sábado (11), o prefeito Jairo Jorge voltou a negar o boato. E afirmou ainda que vai disponibilizar um número de WhatsApp para que pessoas fiscalizem e denunciem casos de recolhimento de doações por parte da prefeitura.

Todos os conteúdos da Lupa são gratuitos, mas precisamos da sua ajuda para seguir dessa forma. Clique aqui para fazer parte do Contexto e apoiar o nosso trabalho contra a desinformação.

LEIA TAMBÉM
Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco.
Editado por
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


18.06.2024 - 19h21
Agricultura
Açúcar com fragmentos metálicos é brasileiro, não chinês

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra um pacote de açúcar com peças metálicas sendo atraídas por um imã. Segundo a legenda do post, o açúcar em questão seria um produto importado recentemente da China pelo governo Lula (PT). É falso. O vídeo é antigo. Além disso, o açúcar foi produzido no Brasil, não no exterior.

Evelyn Fagundes
18.06.2024 - 17h59
Política
É falso que Giorgia Meloni se negou a abraçar Lula em reunião do G7; vídeo foi editado

Post exibe vídeo que supostamente mostra a primeira-ministra da Itália, Giorgia Meloni, se recusando a abraçar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT)  na chegada à cúpula do G7, na Itália. É falso. O vídeo foi editado e omite o momento em que Meloni abraça Lula e em seguida os dois posam para fotos.

Catiane Pereira
18.06.2024 - 17h20
Fraude
Falsa indenização de R$ 200 milhões da Caixa é usada para aplicar golpe

Circula pelas redes sociais a imagem de uma suposta notícia da CNN afirmando que a Caixa Econômica Federal foi condenada a pagar R$ 200 milhões em indenizações por vazamento de dados. A publicação leva o usuário a um site onde ele pode, supostamente, consultar se tem direito à indenização. É falso, como esclareceu a Caixa em nota à Lupa.


Gabriela Soares
18.06.2024 - 17h11
Política
Piada de Moraes sobre ser ‘ministro comunista’ foi tirada de contexto

Circula pelas redes sociais um vídeo no qual o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirma estar “reconfortado” por não ser mais o “único ministro comunista” da Corte. Na gravação, ele se refere a um “momento socialista” do STF. Falta contexto. Moraes fez a afirmação em tom de piada durante sessão em 12 de junho.

Carol Macário
18.06.2024 - 15h49
Política
É falso que ‘segurança do rei’ mandou Lula descer degrau e se afastar de autoridade

Circula nas redes um vídeo cuja legenda afirma que o presidente Lula, ao se dirigir ao presidente dos Emirados Árabes Unidos, Mohammed bin Zayed al-Nahyan, é alertado pelo "segurança do rei" a se afastar. É falso. A pessoa que aparece nas imagens é o chefe do Banco Mundial, Ajay Banga, que orienta Lula na posição oficial na foto da Cúpula do G7.

Ítalo Rômany
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital