UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Jornalista Daniela Lima não disse que é falso que voluntários estão salvando o Rio Grande do Sul
16.05.2024 - 16h28
Porto Alegre - RS
Post nas redes sociais alega que a jornalista Daniela Lima, da Globo News, afirmou que é falso que quem está salvando o Rio Grande do Sul durante as enchentes são os civis e voluntários. É falso
Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:
Daniela Lima: “É falso que “quem” está salvando o Rio Grande do Sul são os civis e voluntários”
– Texto em vídeo que circula nas redes sociais
Falso
Daniela Lima não negou a atuação dos civis voluntários no Rio Grande do Sul. O vídeo que circula nas redes sociais é um recorte da fala completa da jornalista no programa Edição das 18h, da GloboNews, em 9 de maio. Na ocasião, Lima citou pesquisadores da área para comentar informações falsas que circulavam sobre as enchentes. Segundo ela, muitas das fakes estudadas afirmam que há um trabalho exclusivo de civis nos resgates para reforçar, com interesse político, uma narrativa de que o Estado nada faz. 
“O primeiro eixo de fake news: o Estado nada faz. O que eles dizem? Eles usam vídeos falsos, descontextualizados, para dizer que quem está salvando o Rio Grande do Sul no braço são os voluntários, são os civis. A palavra mestra - e aí eu vou pedir para você salvar esse termo, chama-se “cauda longa” - para quem estuda a internet é “civil salva civil”. Aí você vai dar uma olhada naqueles perfis de sempre, você sabe, essa ideia tá enrustida toda lá. É para dizer que o Estado é lento, que o Estado não chega, que o Estado é preguiçoso, que o Estado nada está fazendo”, disse.
Na sequência, a jornalista explica outros dois eixos de desinformação encontrados por especialistas: a ideia de que o Estado só atrapalha e o pânico econômico. Ao final, ela relata que os principais disseminadores de informações falsas são pessoas com uma base grande de seguidores e que, em um passado recente, defendiam “remédio para vermes contra o vírus Covid-19 e um golpe de Estado”.
Abaixo, leia a íntegra do que Daniela Lima disse sobre os três eixos de desinformação no Edição das 18h, de 9 de maio:
“São três eixos principais segundo os especialistas. Eles têm ali, primeiro eixo é o de dizer que o estado nada faz. Então, o que que eles usam, se você ver isso desconfie: o primeiro eixo de fake news o Estado nada faz. O que eles dizem? Eles usam vídeos falsos, descontextualizados para dizer que quem está salvando o Rio Grande do Sul no braço são os voluntários, são os civis. A palavra mestra - e aí eu vou pedir para você salvar esse termo, chama-se “cauda longa” - para quem estuda a internet é “civil salva civil”. Aí você vai dar uma olhada naqueles perfis de sempre, você sabe, essa ideia tá enrustida toda lá, é para dizer que o Estado é lento, que o Estado não chega, que o Estado é preguiçoso, que o Estado nada está fazendo. 
A outra ideia que está centralizada no disparo de fake news - e aí você tem diversas fake news com essa mesma ideia - é a de que o Estado atrapalha. Vocês vão ver circulando um vídeo que dá a entender - e nesse caso o Exército virou o principal alvo -  é como se os disseminadores de fake news da extrema-direita, lá de trás, estivessem indo à desforra agora, por conta do que o Exército não fez no 8 de janeiro. Alguns deles escrevem isso mesmo. Como vocês sabem, eles pediram um golpe, as Forças Armadas não apareceram e, aparentemente, eles estão querendo manchar a imagem das Forças agora nesse episódio. 
Então, nesse eixo, primeiro é o governo não aparecer, não veio. Mentira, não só está lá o Governo Federal, as Forças Armadas, como o governo de São Paulo, o governo do Mato Grosso, o governo de Goiás, governo do Rio Grande do Norte, de Pernambuco, tem muita gente lá. O Brasil que sabe quem de verdade está lá. O outro eixo é esse, o Estado atrapalha. Então, são vários vídeos que dizem “olha, não estão deixando chegar mantimento, estão barrando, não estão deixando pilotar a lancha”. Tem um agora, o novo, mais último, é o que aparece uma velhinha, uma pessoa idosa pedindo ajuda e um militar dando os ombros. É fake. Não é de agora, está fora de contexto. As agências de checagem estão trabalhando como loucas.
Terceiro grande eixo de fake news é o pânico econômico, e aí gente, eu vou abrir aqui, conversando com os especialistas têm uma série de áudios falsos, desancorados e vídeos também desancorados da realidade, meio que pregando uma corrida enlouquecida aos mercados porque vai acabar a comida. E eu não estou falando do Rio Grande do Sul, lá o abastecimento está difícil por conta do estado, está tudo desse jeito, as pessoas estão indo, o mantimento está indo e eu vou mostrar aqui em imagens também exclusivas da Fab, mas é o dia, a aeronave ou navio é assim que está chegando, helicóptero ou navio. Avião não adianta mandar, não tem onde pousar, o aeroporto está fechado. De todo o modo, o terceiro eixo é esse, o pânico econômico.
E aí eu liguei para o ministro da Agricultura, falei “ministro, eu não sei se o senhor está sabendo, está havendo uma série de disseminação de desinformação, eu gostaria de saber se o Brasil corre risco de desabastecimento”. Olha o que o ministro Carlos Fávaro me contou. Ele disse “Daniela, eu mesmo recebi um áudio”. Veja só, o ministro recebeu um áudio de um homem dizendo “eu sou gaúcho, eu tenho certeza do que eu estou te falando, o saco de arroz vai bater R$ 70, corre e compra”. A Federação produtora de arroz do Rio Grande do Sul - que responde por 70% da produção nacional - já falou que não vai acabar o arroz. O Ministério já tinha dito que não ía, mas agora o ministro dá uma garantia: não haverá desabastecimento. É o que diz o Fávaro, e mais, ele fala que tudo o que está sendo feito é para garantir o fluxo. Inclusive não ter repique de preço.
Então assim, pânico econômico, inação ou estado trabalhando contra o cidadão são três palavras-chaves que os estudiosos já identificaram, viraram o motivo de fake news. Para fechar, quem são os principais disseminadores? Porque é gente que tem muitos seguidores, que já tem uma base feita. Por que eles já têm uma base feita? Porque alguns são réus no Inquérito das Fake News, no Inquérito dos Atos Antidemocráticos, já tiveram de prestar depoimento para a Polícia Federal sobre pregação golpista, tiveram de prestar depoimento sobre pregação mentirosa na pandemia. É gente que de lá de trás veio te dando um remédio de vermes para curar vírus, de lá de trás veio te dizendo que golpe de Estado não era crime, gente que lá de trás disse que “imagina nós não queremos dar um golpe”, vem o 8 de janeiro. Agora, eles pedem anistia. É a mesma coisa. E eles estão usando essa mesma rede de novo”.

Todos os conteúdos da Lupa são gratuitos, mas precisamos da sua ajuda para seguir dessa forma. Clique aqui para fazer parte do Contexto e apoiar o nosso trabalho contra a desinformação.

Leia também


Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco.
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


17.07.2024 - 16h16
Internacional
É falso que antifa chamado Mark Violets atirou em Donald Trump

Post alega que o Departamento de Polícia de Butler identificou que o homem que atirou em Donald Trump se chama Mark Violets, um membro da Antifa. A publicação é acompanhada de um vídeo que mostra Violets sobre um telhado supostamente morto. É falso. O homem no vídeo é Thomas Matthew Crooks, morto pelo Serviço Secreto norte-americano.

Maiquel Rosauro
17.07.2024 - 15h12
Política
Agente do Serviço Secreto dos EUA não foi impedido de disparar em atirador de Trump

Circula nas redes o relato de um suposto agente do Serviço Secreto dos EUA chamado Jonathan Willis, afirmando que foi impedido de disparar contra o atirador que tentou assassinar o ex-presidente dos EUA Donald Trump. É falso. O Serviço Secreto esclareceu que não tem nenhum agente com esse nome e classificou a história como “categoricamente falsa”.


Gabriela Soares
17.07.2024 - 15h08
Política
É falso que governo confirmou fim do pagamento de R$ 600 no Bolsa Família

Post alega que Lula confirmou o fim do pagamento de R$ 600 no Bolsa Família. A publicação possui um vídeo no qual uma mulher diz que o ministro Fernando Haddad afirmou que haverá cortes para famílias que recebem benefícios sociais. É falso. O governo não confirma a informação. Haddad não disse que haverá cortes para famílias em benefícios sociais.

Maiquel Rosauro
16.07.2024 - 17h29
Internacional
Homem em vídeo viral não é autor de atentado contra Donald Trump

Homem em um vídeo viral alega ser Thomas Matthew Crooks, o responsável por atirar em Donald Trump em um comício, no sábado (13). É falso. Crooks foi morto pelo serviço secreto após os disparos. O homem no vídeo é um usuário do X que tentou fazer uma trollagem. Ele se arrependeu e disse que o vídeo foi um erro.

Maiquel Rosauro
16.07.2024 - 17h03
Eleições nos EUA
Diretor do FBI não revelou que deputado do partido de Biden mandou matar Trump

Circula nas redes post afirmando que o diretor do FBI descobriu que o atirador que tentou matar Donald Trump foi contratado por um deputado democrata para cometer o crime. É falso. Não há qualquer declaração pública sobre esse suposto fato. As investigações ainda estão no início e não há participação de qualquer outra pessoa no crime, diz o FBI.

Ítalo Rômany
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital