UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Falta contexto ao post sobre deputados gaúchos que votaram contra anistia da dívida do Estado
21.05.2024 - 14h39
Porto Alegre - RS
Matéria atualizada para inclusão da manifestação da deputada federal Reginete Bispo (PT-RS)
23.05.2024 - 12h39
Post nas redes sociais alega que sete deputados federais do Rio Grande do Sul - Afonso Motta (PDT), Bohn Gass (PT), Denise Pessôa (PT), Lindenmeyer (PT), Marcon (PT), Maria do Rosário (PT) e Reginete Bispo (PT) - ajudaram a derrubar uma emenda que anistiava as parcelas da dívida do Estado para com a União pelos próximos 36 meses. Falta contexto.
Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:
ATENÇÃO GAÚCHOS !
Esses são os Deputados do RS que ajudaram a derrubar uma emenda que ANISTIAVA as parcelas da dívida do RS para com a União nós próximos 36 meses:
Afonso Motta (PDT)
Bohn Gass (PT)
Denise Pessoa (PT)
Lindenmeyer (PT)
Marcon (PT)
Maria do Rosário (PT)
Reginete Bispo (PT)
– Texto que circula nas redes sociais
Falta contexto
A Câmara dos Deputados aprovou, na última quarta-feira (15), o Projeto de Lei Complementar nº 85/2024, de autoria do Poder Executivo, que prevê a suspensão da dívida do Rio Grande do Sul por três anos, o que permitirá ao Estado direcionar cerca de R$ 11 bilhões para ações de reconstrução em vez de pagar a dívida com a União (de cerca de R$ 100 bilhões) no período. A proposta recebeu 404 votos favoráveis e apenas dois contrários, sendo que toda bancada gaúcha votou a favor.
Os sete parlamentares citados na publicação votaram contra duas emendas do deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS) ao PLC nº 85/2024. As emendas estabeleciam o perdão das parcelas por 36 meses (Emenda nº 3) ou a anistia do montante total da dívida gaúcha (Emenda nº 4). O relator do projeto, deputado Afonso Motta (PDT-RS), afirmou na tribuna que seu parecer considera inadequadas as propostas de emendas ao texto original por “desatendimento dos pressupostos financeiros e orçamentários” (no total, cinco emendas haviam sido apresentadas). O mesmo entendimento pode ser visualizado no parecer sobre as emendas.
Van Hattem conseguiu aprovar um recurso contra o parecer das emendas, o que fez as propostas serem votadas pelos parlamentares. A Emenda nº 3 foi rejeitada com 226 votos, sendo que 215 parlamentares votaram sim e um se absteve - o pleito teve um total de 442 votos. Já a Emenda nº 4 foi derrubada com 223 votos contrários, 184 favoráveis e uma abstenção, totalizando 408 votos. As outras três emendas também foram rejeitadas ou retiradas de tramitação.
A eficácia da proposta de Van Hattem é questionada por especialistas. De acordo com o advogado e consultor jurídico, Paulo Peixoto, professor de Direito Constitucional do Damásio/IBMEC-SP e mestre em Direito Político e Econômico e Especialista em Direito Tributário pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, em regra - com base na Constituição Federal e na Lei de Responsabilidade Fiscal - a renúncia de receita depende da compensação orçamentária, algo ausente nas emendas da Van Hattem.
“Porém, assim como houve na pandemia de Covid-19, uma vez que o Congresso reconheça o estado de calamidade pública, é possível que a exigência da compensação orçamentária seja excepcionalmente afastada, desde que o incentivo seja destinado ao combate à calamidade pública”, avalia Peixoto.
O professor de Direito Constitucional e Eleitoral do Ibmec/SP e promotor de Justiça do Ministério Público do Estado de São Paulo, Clever Vasconcelos, relata que a jurisprudência tem entendido que não há proibição de o parlamentar apresentar emenda ou projeto de lei sobre renúncia fiscal (Tema nº 682 do STF). 
“Todavia, a questão deve ser acompanhada pela preservação do equilíbrio do impacto financeiro, mediante compensações, seja na lei orçamentaŕia anual ou na lei de diretrizes orçamentárias. Assim, é possível a renúncia fiscal, através da adoção de um critério mínimo de razoabilidade e impacto financeiro, como tem decidido o STF há décadas”, afirma Vasconcelos.

O que dizem os deputados

A Lupa entrou em contato com os sete deputados citados no post, mas apenas Denise Pessôa (PT) e Reginete Bispo (PT) responderam à reportagem. Em nota, Pessôa afirma que as emendas de Van Hattem, se aprovadas, abririam um precedente que inviabilizaria as contas públicas no país.
“Quanto a proposta para o perdão total da dívida, abriria um precedente porque os outros estados poderiam pedir a anistia, e todos teriam que ser tratados da mesma forma, o que inviabilizaria a gestão do Brasil ao comprometer as contas públicas. O projeto de suspensão da dívida, por sua vez, é viável, sendo que o texto foi aprovado pela Câmara dos Deputados e pelo Senado. A portaria, inclusive, foi publicada nesta sexta-feira, e esta é uma alternativa real de auxiliar a reconstrução do Rio Grande do Sul”, disse Pessôa.
Bispo afirma, em nota, que as emendas prevendo o perdão da dívida são populistas e inconstitucionais, pois  preveem  renúncia fiscal sem compensação orçamentária. Por esse motivo, segundo ela, foram rejeitadas por ampla maioria dos parlamentares que apreciaram o tema.
“A verdade é que o Congresso não tem capacidade de perdoar dívidas, compete ao Poder Executivo e ao Tribunal de Contas da União tomar essas decisões. Aprovar uma medida inconstitucional como essa poderia criar uma batalha judicial, já que o Congresso não tem poder de aprovar por iniciativa própria uma proposta que impacte o orçamento Federal”, afirma Bispo
Com 61 votos favoráveis e nenhum contrário, o PLC nº 85/2024 foi aprovado no Senado, ainda quarta (15), e sancionado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na sexta-feira (17). 
Esta matéria será atualizado, caso os demais parlamentares desejem se manifestar sobre as emendas ao projeto.
Esse conteúdo também foi verificado por Estadão Verifica.

Todos os conteúdos da Lupa são gratuitos, mas precisamos da sua ajuda para seguir dessa forma. Clique aqui para fazer parte do Contexto e apoiar o nosso trabalho contra a desinformação.

Leia também


Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco.
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


19.06.2024 - 17h48
Tecnologia
É falso que Starlink controla desde tornozeleiras eletrônicas até GPS

Post alega que a Starlink controla tornozeleiras eletrônicas; GPS; sistemas de navegação por satélites; comunicações e armamentos das Forças Armadas. É falso. A Starlink é uma empresa que oferece conexão à internet via satélite.

Maiquel Rosauro
19.06.2024 - 17h30
Cultura
Performances com terra, tinta e manteiga em vídeo viral não foram financiadas com impostos do Brasil

Post traz um vídeo com cinco apresentações artísticas. A legenda que acompanha a publicação alega que as performances foram pagas com impostos, o que dá a entender que foram realizadas no Brasil. É falso. As cinco cenas foram gravadas no exterior e não tiveram financiamento de leis de incentivo à cultura do país.

Maiquel Rosauro
19.06.2024 - 13h09
Enchentes
Caminhões em vídeo não levavam doações de Bolsonaro para Caxias do Sul

Circula nas redes um vídeo de três caminhões escoltados por carros do Batalhão de Polícia de Choque de Caxias do Sul (RS). Segundo a legenda da publicação, os veículos transportavam mantimentos enviados pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) para a cidade. É falso. Os caminhões transportavam materiais para a Brigada Militar.


Gabriela Soares
19.06.2024 - 12h36
Política
Deputado de PL do Aborto mente sobre venda de fetos para fazer cosméticos

 Em vídeo, o deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), que é um dos autores do Projeto de Lei 1904/2024, conhecido como PL do Aborto, afirma que a indústria utiliza fetos humanos na produção de cosméticos. É falso. O deputado utilizou informações falsas para embasar seu argumento.

Gabriela Soares
19.06.2024 - 11h51
Rio Grande do Sul
É falso que barragem rompeu em São Leopoldo, no RS, em maio

Vídeo alega que uma barragem rompeu em São Leopoldo e que prefeituras locais processaram pessoas por alertar contra a catástrofe. É falso. São Leopoldo não possui uma barragem hidrelétrica, mas um sistema de diques. O vídeo mostra um dique que extravasou. A Prefeitura afirma que não processou ninguém sobre avisos quanto às cheias.

Maiquel Rosauro
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital