UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Vereador do PT foi preso por posse irregular de arma, não por desviar doações no RS
14.06.2024 - 17h38
João Pessoa - PB
Circula nas redes sociais um post afirmando que um vereador do PT da cidade de Palmares do Sul (RS) foi preso por desviar doações destinadas ao Rio Grande do Sul. É falso. Embora investigado em operação que apura possíveis desvios de doações, o motivo da prisão foi outro. 
Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:
Vereador do PT foi preso por desviar doações destinadas ao Rio Grande do Sul
– Legenda de post que circula no WhatsApp
Falso
No dia 8 de junho, durante a segunda fase da operação Desvio, a Polícia Civil do Rio Grande do Sul realizou mandados de busca e apreensão na casa de dois vereadores de Palmares do Sul (RS), com o objetivo de apurar supostos crimes praticados para obtenção de donativos e desvio de finalidade na distribuição. Houve uma prisão em flagrante por posse irregular de arma de fogo, segundo a Polícia Civil — ou seja, a detenção se deu sem qualquer relação com o crime apurado. 
A Polícia Civil não divulgou o nome do vereador preso, mas o vereador Filipe Lang (PT), que é pré-candidato a prefeito e foi um dos alvos dessa operação, publicou um vídeo em suas redes sociais em que afirma que foi apreendido em sua residência um revólver calibre 38, do ano de 1945, e algumas munições, herança de seu avô. Entretanto, após pagar fiança, o parlamentar foi liberado. "Estiveram em minha casa, procuraram e não acharam absolutamente nada vinculado a irregularidades na distribuição de cestas de alimentos. Apenas acharam o revólver do ano de 1945, que o meu avô, três anos atrás, antes de morrer, me deixou de presente", disse.
Ele também afirmou que não há qualquer irregularidade nas doações. Segundo o vereador, a grande dúvida da investigação é por que as doações não passaram pela Prefeitura e foram direto ao Centro de Distribuição.  "[...] As doações podem ser, sim, feitas a entidades, instituições não governamentais e voluntários, e não somente para a Prefeitura, como muitos alegam. Tudo foi feito dentro da legalidade". 
O vereador Polon de Oliveira (União Brasil), outro alvo da operação, também publicou vídeo em suas redes. Ele afirmou que foram apreendidos dois celulares e mais R$ 15 mil em espécie em dinheiro na casa dele. E negou qualquer irregularidade. "Eles entendem [Polícia Civil e Ministério Público] que houve desvio de finalidade das doações, não desvio de doações. Nós não desviamos nenhuma cesta básica. Tanto que todas as cestas, que não foram distribuídas, estavam lá no centro de distribuição".
De acordo com a investigação dos promotores de Justiça, os donativos não teriam passado oficialmente pela Prefeitura. "Tudo indica que foi uma doação para um pré-candidato no próximo pleito. E já temos provas de que parte destes donativos foi encaminhada para famílias não flageladas, conforme planilhas apreendidas”, afirmou o promotor Mauro Rockenbach, em nota publicada no site do MP do Rio Grande do Sul.
Em 4 de junho, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público do Rio Grande do Sul (Gaeco) já havia realizado uma primeira fase dessa operação. De acordo com as investigações, os alvos da operação, dentre eles o vereador Manoel Antunes Neto (PL), se aproveitaram dos cargos que ocupam para desviar donativos para as residências e oferecê-los em troca de voto.

Todos os conteúdos da Lupa são gratuitos, mas precisamos da sua ajuda para seguir dessa forma. Clique aqui para fazer parte do Contexto e apoiar o nosso trabalho contra a desinformação.

LEIA TAMBÉM
Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco.
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


17.07.2024 - 16h16
Internacional
É falso que antifa chamado Mark Violets atirou em Donald Trump

Post alega que o Departamento de Polícia de Butler identificou que o homem que atirou em Donald Trump se chama Mark Violets, um membro da Antifa. A publicação é acompanhada de um vídeo que mostra Violets sobre um telhado supostamente morto. É falso. O homem no vídeo é Thomas Matthew Crooks, morto pelo Serviço Secreto norte-americano.

Maiquel Rosauro
17.07.2024 - 15h12
Política
Agente do Serviço Secreto dos EUA não foi impedido de disparar em atirador de Trump

Circula nas redes o relato de um suposto agente do Serviço Secreto dos EUA chamado Jonathan Willis, afirmando que foi impedido de disparar contra o atirador que tentou assassinar o ex-presidente dos EUA Donald Trump. É falso. O Serviço Secreto esclareceu que não tem nenhum agente com esse nome e classificou a história como “categoricamente falsa”.


Gabriela Soares
17.07.2024 - 15h08
Política
É falso que governo confirmou fim do pagamento de R$ 600 no Bolsa Família

Post alega que Lula confirmou o fim do pagamento de R$ 600 no Bolsa Família. A publicação possui um vídeo no qual uma mulher diz que o ministro Fernando Haddad afirmou que haverá cortes para famílias que recebem benefícios sociais. É falso. O governo não confirma a informação. Haddad não disse que haverá cortes para famílias em benefícios sociais.

Maiquel Rosauro
16.07.2024 - 17h29
Internacional
Homem em vídeo viral não é autor de atentado contra Donald Trump

Homem em um vídeo viral alega ser Thomas Matthew Crooks, o responsável por atirar em Donald Trump em um comício, no sábado (13). É falso. Crooks foi morto pelo serviço secreto após os disparos. O homem no vídeo é um usuário do X que tentou fazer uma trollagem. Ele se arrependeu e disse que o vídeo foi um erro.

Maiquel Rosauro
16.07.2024 - 17h03
Eleições nos EUA
Diretor do FBI não revelou que deputado do partido de Biden mandou matar Trump

Circula nas redes post afirmando que o diretor do FBI descobriu que o atirador que tentou matar Donald Trump foi contratado por um deputado democrata para cometer o crime. É falso. Não há qualquer declaração pública sobre esse suposto fato. As investigações ainda estão no início e não há participação de qualquer outra pessoa no crime, diz o FBI.

Ítalo Rômany
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital