UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Falsa indenização de R$ 200 milhões da Caixa é usada para aplicar golpe
18.06.2024 - 17h20
Rio de Janeiro - RJ
Circula pelas redes sociais a imagem de uma suposta notícia da CNN afirmando que a Caixa Econômica Federal foi condenada a pagar R$ 200 milhões em indenizações por vazamento de dados. A publicação leva o usuário a um site onde ele pode, supostamente, consultar se tem direito à indenização. É falso.
Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:
“Vazamento de dados
Caixa terá que pagar R$ 200 milhões de indenização por vazamento de dados”

– Texto em imagem de publicação que circula nas redes sociais
Falso
Trata-se de um golpe. Em nota, a Caixa Econômica Federal informou que “os fatos mencionados nas publicações são falsos”. Em outubro de 2023, houve uma condenação em primeira instância contra a instituição por vazamento de dados em 2022 — contudo, o processo ainda tramita na Justiça, como mostra o Portal da Transparência do Ministério Público Federal (MPF). Portanto, não há, até o momento da publicação desta checagem, o pagamento de indenização. 
Para dar mais credibilidade e facilitar a fraude, os posts usam a imagem de portais de notícias — neste caso, da CNN —, porém a “reportagem” não foi produzida pelo veículo. Após clicar no link disponível na publicação, o usuário é encaminhado para um site imitando o layout da emissora. O domínio usado pelo site fraudulento, contudo, é diferente daquele adotado pelo site da CNN: “www.cnnbrasil.com.br”. A tática é semelhante à de outros golpes já desmentidos pela Lupa
A falsa notícia também traz um link que leva para outro site, dessa vez imitando o layout da Caixa. Nele, a pessoa pode “consultar” se tem direito à indenização. A página, que também é falsa, pede para que o usuário faça cadastro na plataforma. O banco esclareceu que “não reconhece a produção e publicação da página de destino do link indicado”. O domínio da página também é diferente daquele usado pela instituição: “www.caixa.gov.br”.
Para potencializar o golpe, os criminosos impulsionam as publicações a partir de posts patrocinados. O perfil “Brasil Seguro”, por exemplo, tinha 48 anúncios ativos divulgando a fraude no Instagram e Facebook, até 13 de junho de 2024. 

Condenação sobre vazamento de dados da Caixa

Em outubro de 2023, a 1ª Vara Cível Federal de São Paulo determinou que a União, a Caixa, a Dataprev — empresa de serviços digitais vinculada ao Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos — e a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) indenizassem aproximadamente 4 milhões de pessoas, no valor de R$ 15 mil cada, supostamente vítimas de um vazamento de dados em 2022. A decisão também impôs o pagamento de R$ 40 milhões por dano moral coletivo, valor que deve ser revertido ao Fundo de Defesa de Direitos Difusos. Em setembro de 2023, contudo, a Caixa recorreu da decisão e informou que, em análise preliminar, não identificou vazamento de dados
Em nota à Lupa, a Caixa afirmou que está comprometida com a segurança de dados dos usuários. “Reforçamos que o banco permanece comprometido com o cumprimento da Lei Geral de Proteção de Dados, utilizando avançadas ferramentas e recursos de segurança para evitar alteração, fraude, divulgação ou destruição de informações confidenciais e dados pessoais”, esclareceu. 
Conteúdo semelhante foi verificado por UOL Confere.

Todos os conteúdos da Lupa são gratuitos, mas precisamos da sua ajuda para seguir dessa forma. Clique aqui para fazer parte do Contexto e apoiar o nosso trabalho contra a desinformação.

Leia também
Esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.





Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


17.07.2024 - 16h16
Internacional
É falso que antifa chamado Mark Violets atirou em Donald Trump

Post alega que o Departamento de Polícia de Butler identificou que o homem que atirou em Donald Trump se chama Mark Violets, um membro da Antifa. A publicação é acompanhada de um vídeo que mostra Violets sobre um telhado supostamente morto. É falso. O homem no vídeo é Thomas Matthew Crooks, morto pelo Serviço Secreto norte-americano.

Maiquel Rosauro
17.07.2024 - 15h12
Política
Agente do Serviço Secreto dos EUA não foi impedido de disparar em atirador de Trump

Circula nas redes o relato de um suposto agente do Serviço Secreto dos EUA chamado Jonathan Willis, afirmando que foi impedido de disparar contra o atirador que tentou assassinar o ex-presidente dos EUA Donald Trump. É falso. O Serviço Secreto esclareceu que não tem nenhum agente com esse nome e classificou a história como “categoricamente falsa”.


Gabriela Soares
17.07.2024 - 15h08
Política
É falso que governo confirmou fim do pagamento de R$ 600 no Bolsa Família

Post alega que Lula confirmou o fim do pagamento de R$ 600 no Bolsa Família. A publicação possui um vídeo no qual uma mulher diz que o ministro Fernando Haddad afirmou que haverá cortes para famílias que recebem benefícios sociais. É falso. O governo não confirma a informação. Haddad não disse que haverá cortes para famílias em benefícios sociais.

Maiquel Rosauro
16.07.2024 - 17h29
Internacional
Homem em vídeo viral não é autor de atentado contra Donald Trump

Homem em um vídeo viral alega ser Thomas Matthew Crooks, o responsável por atirar em Donald Trump em um comício, no sábado (13). É falso. Crooks foi morto pelo serviço secreto após os disparos. O homem no vídeo é um usuário do X que tentou fazer uma trollagem. Ele se arrependeu e disse que o vídeo foi um erro.

Maiquel Rosauro
16.07.2024 - 17h03
Eleições nos EUA
Diretor do FBI não revelou que deputado do partido de Biden mandou matar Trump

Circula nas redes post afirmando que o diretor do FBI descobriu que o atirador que tentou matar Donald Trump foi contratado por um deputado democrata para cometer o crime. É falso. Não há qualquer declaração pública sobre esse suposto fato. As investigações ainda estão no início e não há participação de qualquer outra pessoa no crime, diz o FBI.

Ítalo Rômany
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital