UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Deputado de PL do Aborto mente sobre venda de fetos para fazer cosméticos
19.06.2024 - 12h36
Rio de Janeiro - RJ
Em vídeo publicado nas suas redes sociais, o deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), que é um dos autores do Projeto de Lei nº 1904/2024, conhecido como PL do Aborto, afirma que a indústria utiliza fetos humanos na produção de cosméticos. É falso. 
Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:
“Matar um bebê no ventre da mãe para fabricação de cosméticos e gente ganhar dinheiro e ficar mais milionária” 

– Trecho de fala do deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ) em vídeo publicado no X, em 16 de junho de 2024
Falso
Não é verdade que fetos humanos foram vendidos ilegalmente por duas entidades, no Reino Unido e nos Estados Unidos, para a produção de cosméticos. O deputado Sóstenes Cavalcante utilizou três publicações contendo informações antigas e comprovadamente falsas para embasar seu argumento. 
A primeira é um texto publicado na Folha de S.Paulo em 2008 sobre o livro Babies for Burning de 1974, que afirma que a entidade filantrópica British Pregnancy Advisory Service, do Reino Unido, vendia fetos humanos para fábricas de cosméticos. No entanto, o parlamentar omite que o conteúdo do livro foi desmentido já na década de 1970. Os próprios autores pediram desculpas pelo ocorrido e, em 1978, retiraram as alegações feitas no livro em um tribunal, conforme documentado pelo banco de dados britânico Wellcome Collection.
As outras duas publicações são notícias de 2015 de O Globo e BBC. Ambas referem-se a uma denúncia realizada pelo grupo antiaborto Center for Medical Progress contra a organização não-governamental (ONG) norte-americana de direitos reprodutivos Planned Parenthood, alegando que a entidade lucrava com a venda de tecido fetal. A acusação, contudo, também foi desmentida anos atrás, explica a plataforma de checagem norte-americana FactCheck.org. Além disso, as acusações não foram comprovadas e o grupo antiaborto foi condenado a pagar indenização à ONG.

Acusação contra a Planned Parenthood 

Em 14 de julho de 2015, o Center for Medical Progress publicou um vídeo editado de uma conversa — gravada secretamente — entre ativistas da organização que se passavam por corretores de tecidos com a então diretora sênior de serviços médicos da Planned Parenthood nos Estados Unidos, Deborah Nucatola, dando a entender que a ONG estava tentando comercializar os tecidos fetais. Afirmação negada pela Planned Parenthood na época, que explicou que apenas auxilia pacientes que desejam doar os materiais para pesquisa científica — o que é permitido pela lei do país, desde que a mulher doadora do material conceda permissão em uma declaração escrita.
No vídeo completo, também divulgado pelo Center for Medical Progress, é possível verificar, inclusive, que ocorre o contrário do denunciado pelo grupo antiaborto. Nucatola explica que não tem o objetivo de lucrar, e que os valores citados se referem ao reembolso das despesas relacionadas ao manuseio e transporte dos tecidos. Prática que também está em conformidade com a legislação norte-americana, que prevê a cobranças de “pagamentos razoáveis ​​associados ao transporte, implantação, processamento, preservação, controle de qualidade ou armazenamento de tecido fetal humano”.
Apesar de a lei não estabelecer um valor base para essas taxas, especialistas ouvidos na época afirmavam que os valores mencionados na gravação (de US$ 30 a US$ 100 por paciente) eram razoáveis para a prática — demonstrando que não houve tentativa de lucrar com a cobrança. 
O caso rendeu investigações e debates no Congresso norte-americano que provaram que as acusações não tinham fundamento. Em 2019, o grupo responsável pela denúncia foi condenado a pagar uma multa de US$ 2,3 milhões à ONG por gravar e editar maliciosamente os vídeos contra a Planned Parenthood. Na decisão, o júri considerou que houve fraude, quebra de contrato e invasão, violando leis de registro federais e estaduais em Maryland, Califórnia e Flórida. É possível ver um resumo sobre as desinformações relacionadas ao caso no site do Partido Democrata.
O deputado federal Sóstenes Cavalcante foi procurado, mas não respondeu até a publicação desta verificação. Em caso de resposta, o texto será atualizado.  
Este conteúdo também foi verificado por Aos Fatos.

Todos os conteúdos da Lupa são gratuitos, mas precisamos da sua ajuda para seguir dessa forma. Clique aqui para fazer parte do Contexto e apoiar o nosso trabalho contra a desinformação.

Leia também

Nota: Este conteúdo faz parte do projeto Mídia e Democracia, produzido pela Escola de Comunicação, Mídia e Informação da Fundação Getulio Vargas (FGV ECMI) e a FGV Direito Rio em parceria com Democracy Reporting International e a Lupa. A iniciativa é financiada pela União Europeia.
Esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.






Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


17.07.2024 - 16h16
Internacional
É falso que antifa chamado Mark Violets atirou em Donald Trump

Post alega que o Departamento de Polícia de Butler identificou que o homem que atirou em Donald Trump se chama Mark Violets, um membro da Antifa. A publicação é acompanhada de um vídeo que mostra Violets sobre um telhado supostamente morto. É falso. O homem no vídeo é Thomas Matthew Crooks, morto pelo Serviço Secreto norte-americano.

Maiquel Rosauro
17.07.2024 - 15h12
Política
Agente do Serviço Secreto dos EUA não foi impedido de disparar em atirador de Trump

Circula nas redes o relato de um suposto agente do Serviço Secreto dos EUA chamado Jonathan Willis, afirmando que foi impedido de disparar contra o atirador que tentou assassinar o ex-presidente dos EUA Donald Trump. É falso. O Serviço Secreto esclareceu que não tem nenhum agente com esse nome e classificou a história como “categoricamente falsa”.


Gabriela Soares
17.07.2024 - 15h08
Política
É falso que governo confirmou fim do pagamento de R$ 600 no Bolsa Família

Post alega que Lula confirmou o fim do pagamento de R$ 600 no Bolsa Família. A publicação possui um vídeo no qual uma mulher diz que o ministro Fernando Haddad afirmou que haverá cortes para famílias que recebem benefícios sociais. É falso. O governo não confirma a informação. Haddad não disse que haverá cortes para famílias em benefícios sociais.

Maiquel Rosauro
16.07.2024 - 17h29
Internacional
Homem em vídeo viral não é autor de atentado contra Donald Trump

Homem em um vídeo viral alega ser Thomas Matthew Crooks, o responsável por atirar em Donald Trump em um comício, no sábado (13). É falso. Crooks foi morto pelo serviço secreto após os disparos. O homem no vídeo é um usuário do X que tentou fazer uma trollagem. Ele se arrependeu e disse que o vídeo foi um erro.

Maiquel Rosauro
16.07.2024 - 17h03
Eleições nos EUA
Diretor do FBI não revelou que deputado do partido de Biden mandou matar Trump

Circula nas redes post afirmando que o diretor do FBI descobriu que o atirador que tentou matar Donald Trump foi contratado por um deputado democrata para cometer o crime. É falso. Não há qualquer declaração pública sobre esse suposto fato. As investigações ainda estão no início e não há participação de qualquer outra pessoa no crime, diz o FBI.

Ítalo Rômany
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital