UOL - O melhor conteúdo
Lupa
É falso que barragem rompeu em São Leopoldo, no RS, em maio
19.06.2024 - 11h51
Porto Alegre - RS
Em vídeo que circula nas redes sociais um homem diz que uma barragem se rompeu em São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, durante as enchentes de maio, e que a empresa responsável pela manutenção não aparecia há 13 anos no local. Ele também afirma que prefeituras locais processaram pessoas, bombeiros civis e engenheiros que alertaram a população sobre a catástrofe que iria acontecer na região. O vídeo ainda exibe imagens do que seria o rompimento da barragem. É falso.
Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:
O problema do Rio Grande do Sul foi causado pelo quê? Natureza humana. Eu soube que rompeu a barragem de São Leopoldo e a empresa responsável por dar manutenção da barragem que há 13 anos não aparecia lá, só ganhando do Estado. Ganhou a licitação para cuidar da barragem. Pessoas, bombeiros civis, engenheiros tiveram a informação e alertaram antes a população sobre a catástrofe que iria acontecer e foram processados pelo governo, por Prefeituras locais por estarem causando pânico na população"
– Fala dita em vídeo que circula nas redes sociais
Falso
As imagens que aparecem no vídeo foram, de fato, registradas em São Leopoldo, município da região metropolitana de Porto Alegre. Porém, não se trata de uma barragem que rompeu, mas de um dique que extravasou no dia 4 de maio. O próprio prefeito de São Leopoldo, Ary Vanazzi (PT), divulgou as imagens no X
De acordo com dados enviados pela Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) à Lupa, São Leopoldo possui quatro barragens, duas de aquicultura, uma industrial e uma de recreação. Contudo, elas possuem baixo dano potencial associado (em caso de rompimento ou vazamento) e baixo risco (em relação a sua integridade ou conservação). 
A assessoria de imprensa da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema) explicou à Lupa que não possui qualquer informação oficial sobre barragens em São Leopoldo em status fora da normalidade e que cada município tem autonomia para fiscalizar os diques, não sendo responsabilidade do Estado. Já a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) afirma que não possui registro sobre a existência de uma barragem hidrelétrica no município. Tanto a Sema quanto a Aneel não monitoraram nenhuma barragem em São Leopoldo durante as enchentes de maio. 
Em nota enviada à Lupa, a Prefeitura explica que o município não conta com barragens (hidrelétricas), mas um sistema de proteção contra cheias que possui 20,4 quilômetros (diques), considerados vitais para evitar uma catástrofe maior. Conforme o Poder Executivo, choveu 304 milímetros apenas em três dias (entre 30 de abril e 2 de maio) nos afluentes do Rio dos Sinos (rio que atravessa a cidade), o que foi determinante para inundação de diversos bairros.
“Os diques não romperam. Houve o colapso na Casa de Bombas (estruturas que abrigam equipamentos capazes de drenar a água acumulada e escoar o volume) do bairro Santo Afonso, na cidade vizinha de Novo Hamburgo, que ocasionou o desligamento das bombas e o consequente transbordo do Arroio Gauchinho, que acabou erodindo parte do dique e inundando o bairro Santos Dumont/Vila Brás, em São Leopoldo”, diz trecho da nota
O mesmo ocorreu no dique do bairro Vicentina, junto à Casa de Bombas do Arroio da João Corrêa, quando houve o transbordo e o dique erodiu e os equipamentos precisaram ser desligados devido a grande quantidade de água: “bairros Vicentina, São Miguel e Vila Paim foram atingidos”, diz trecho da nota
A Prefeitura de São Leopoldo ainda pontua que, no Arroio Cerquinha, bairro Campina, houve o transbordo do dique que formou uma lâmina de água sobre a parede de concreto do dique e acabou ocasionando os alagamentos no bairro Campina e Scharlau. “Devido ao grande volume de água, o Rio dos Sinos começou a refutar seus afluentes, não aceitando o curso normal dos mesmos, outro fator que contribuiu para os alagamentos”, diz a nota.
Segundo a nota da Prefeitura, 100 mil pessoas ficaram desalojadas em São Leopoldo, sendo que cerca de 20 mil receberam auxílio em 132 abrigos. Conforme dados do governo estadual, atualizados em 14 de junho, o município registrou nove óbitos e um desaparecido.

Barragem rompida

Devido ao desastre climático de maio, até seis barragens ficaram sob risco iminente de ruptura no Rio Grande do Sul. Contudo, durante todo o período de fortes chuvas, foi noticiado apenas o rompimento parcial da barragem da Usina 14 de Julho, entre Cotiporã e Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha, em 2 de maio. De acordo com a Companhia Energética Rio das Antas (Ceran), que administra a unidade, o problema foi registrado pelo grande acúmulo de água das chuvas.
"O Plano de Ação de Emergência foi colocado em prática no dia 1º de maio, às 13h50, em coordenação com as Defesas Civis da região, com acionamento de sirenes de evacuação da área, para que a população local pudesse ser retirada com antecedência e em segurança", informou a Ceran. Em 9 de maio, a Companhia comunicou que o rompimento parcial ocorrido no topo da barragem não comprometeu sua estrutura.
Mesmo se a Usina 14 de Julho tivesse se rompido completamente, o município de São Leopoldo não seria afetado. De acordo com a assessoria de imprensa da Ceran, a ruptura da barragem provocaria uma inundação em regiões de nove municípios próximos à estrutura: Cotiporã, Bento Gonçalves, São Valentim do Sul, Doutor Ricardo, Encantado, Monte Belo do Sul, Santa Tereza, Roca Sales e Muçum, atingindo potencialmente 768 pessoas.

Todos os conteúdos da Lupa são gratuitos, mas precisamos da sua ajuda para seguir dessa forma. Clique aqui para fazer parte do Contexto e apoiar o nosso trabalho contra a desinformação.

Leia também


Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco.
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


17.07.2024 - 16h16
Internacional
É falso que antifa chamado Mark Violets atirou em Donald Trump

Post alega que o Departamento de Polícia de Butler identificou que o homem que atirou em Donald Trump se chama Mark Violets, um membro da Antifa. A publicação é acompanhada de um vídeo que mostra Violets sobre um telhado supostamente morto. É falso. O homem no vídeo é Thomas Matthew Crooks, morto pelo Serviço Secreto norte-americano.

Maiquel Rosauro
17.07.2024 - 15h12
Política
Agente do Serviço Secreto dos EUA não foi impedido de disparar em atirador de Trump

Circula nas redes o relato de um suposto agente do Serviço Secreto dos EUA chamado Jonathan Willis, afirmando que foi impedido de disparar contra o atirador que tentou assassinar o ex-presidente dos EUA Donald Trump. É falso. O Serviço Secreto esclareceu que não tem nenhum agente com esse nome e classificou a história como “categoricamente falsa”.


Gabriela Soares
17.07.2024 - 15h08
Política
É falso que governo confirmou fim do pagamento de R$ 600 no Bolsa Família

Post alega que Lula confirmou o fim do pagamento de R$ 600 no Bolsa Família. A publicação possui um vídeo no qual uma mulher diz que o ministro Fernando Haddad afirmou que haverá cortes para famílias que recebem benefícios sociais. É falso. O governo não confirma a informação. Haddad não disse que haverá cortes para famílias em benefícios sociais.

Maiquel Rosauro
16.07.2024 - 17h29
Internacional
Homem em vídeo viral não é autor de atentado contra Donald Trump

Homem em um vídeo viral alega ser Thomas Matthew Crooks, o responsável por atirar em Donald Trump em um comício, no sábado (13). É falso. Crooks foi morto pelo serviço secreto após os disparos. O homem no vídeo é um usuário do X que tentou fazer uma trollagem. Ele se arrependeu e disse que o vídeo foi um erro.

Maiquel Rosauro
16.07.2024 - 17h03
Eleições nos EUA
Diretor do FBI não revelou que deputado do partido de Biden mandou matar Trump

Circula nas redes post afirmando que o diretor do FBI descobriu que o atirador que tentou matar Donald Trump foi contratado por um deputado democrata para cometer o crime. É falso. Não há qualquer declaração pública sobre esse suposto fato. As investigações ainda estão no início e não há participação de qualquer outra pessoa no crime, diz o FBI.

Ítalo Rômany
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital