UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Imagem mostra protesto de professores contra privatizações no Paraná, não contra o governo Lula
25.06.2024 - 16h04
Rio de Janeiro - RJ
Circula nas redes uma imagem de manifestantes entrando em um prédio. A postagem sugere que seriam professores em greve contra o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O texto diz ainda que a Justiça teria determinado multa diária de R$ 10 mil à categoria, porque a paralisação foi feita “sem motivo”. É falso. 
Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:
“Justiça declara que greve dos professores ‘é sem motivo’ 
Fazuelli
(...) É determinado R$ 10 mil de multa diária”
– Texto em vídeo que circula nas redes sociais
Falso
O protesto mostrado no post não tem relação com o governo Lula. A imagem corresponde à invasão de professores, servidores e alunos da rede estadual do Paraná na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), em Curitiba, em 3 de junho de 2024. O motivo da manifestação é a oposição à Lei nº 22.006, de 4 de junho de 2024, sancionada pelo governador Ratinho Júnior (PSD) um dia após a ocupação, que visa a terceirizar a gestão administrativa de aproximadamente 200 colégios públicos do estado.
A foto que circula nas redes sociais foi capturada de um vídeo publicado no TikTok (veja a comparação). Na gravação, é possível identificar o prédio da Alep e ver pessoas vestindo camisetas do movimento contra a medida do governo do Paraná, com a frase “Não venda a minha escola”. Essas camisetas estão disponíveis no site do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP-Sindicato)
Compare, abaixo, o print retirado do vídeo com a foto da ocasião, publicada pelo G1
À esquerda, imagem do fotógrafo Giuliano Gomes do PR Press durante invasão, à direita, trecho do vídeo que circula nas redes sociais.
Em 3 de junho, data da invasão da Alep, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) determinou a suspensão da greve marcada para começar naquele dia, sob pena de multa diária de R$ 10 mil em caso de descumprimento. Essa é a decisão citada na peça desinformativa. No entanto, o APP-Sindicato anunciou a continuidade da greve e destacou a "forte" adesão de pais e alunos.  
A lei institui o programa Parceiro da Escola, que propõe a gestão privada na administração e terceirização de serviços como limpeza e segurança nas escolas. O projeto também prevê uma consulta pública nas escolas potenciais para a adoção do novo modelo. Segundo o APP-Sindicato, houve relatos de pressão e assédio para convencer a população a votar a favor da privatização em uma consulta pública

Todos os conteúdos da Lupa são gratuitos, mas precisamos da sua ajuda para seguir dessa forma. Clique aqui para fazer parte do Contexto e apoiar o nosso trabalho contra a desinformação.

SAIBA MAIS:




Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


17.07.2024 - 16h16
Internacional
É falso que antifa chamado Mark Violets atirou em Donald Trump

Post alega que o Departamento de Polícia de Butler identificou que o homem que atirou em Donald Trump se chama Mark Violets, um membro da Antifa. A publicação é acompanhada de um vídeo que mostra Violets sobre um telhado supostamente morto. É falso. O homem no vídeo é Thomas Matthew Crooks, morto pelo Serviço Secreto norte-americano.

Maiquel Rosauro
17.07.2024 - 15h12
Política
Agente do Serviço Secreto dos EUA não foi impedido de disparar em atirador de Trump

Circula nas redes o relato de um suposto agente do Serviço Secreto dos EUA chamado Jonathan Willis, afirmando que foi impedido de disparar contra o atirador que tentou assassinar o ex-presidente dos EUA Donald Trump. É falso. O Serviço Secreto esclareceu que não tem nenhum agente com esse nome e classificou a história como “categoricamente falsa”.


Gabriela Soares
17.07.2024 - 15h08
Política
É falso que governo confirmou fim do pagamento de R$ 600 no Bolsa Família

Post alega que Lula confirmou o fim do pagamento de R$ 600 no Bolsa Família. A publicação possui um vídeo no qual uma mulher diz que o ministro Fernando Haddad afirmou que haverá cortes para famílias que recebem benefícios sociais. É falso. O governo não confirma a informação. Haddad não disse que haverá cortes para famílias em benefícios sociais.

Maiquel Rosauro
16.07.2024 - 17h29
Internacional
Homem em vídeo viral não é autor de atentado contra Donald Trump

Homem em um vídeo viral alega ser Thomas Matthew Crooks, o responsável por atirar em Donald Trump em um comício, no sábado (13). É falso. Crooks foi morto pelo serviço secreto após os disparos. O homem no vídeo é um usuário do X que tentou fazer uma trollagem. Ele se arrependeu e disse que o vídeo foi um erro.

Maiquel Rosauro
16.07.2024 - 17h03
Eleições nos EUA
Diretor do FBI não revelou que deputado do partido de Biden mandou matar Trump

Circula nas redes post afirmando que o diretor do FBI descobriu que o atirador que tentou matar Donald Trump foi contratado por um deputado democrata para cometer o crime. É falso. Não há qualquer declaração pública sobre esse suposto fato. As investigações ainda estão no início e não há participação de qualquer outra pessoa no crime, diz o FBI.

Ítalo Rômany
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital