UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Diretor do Detran-MS não é petista e não teve CNH cassada por 2 anos
09.07.2024 - 17h40
João Pessoa - PB
Circula nas redes sociais uma postagem afirmando que o 'petista' João César Mattogrosso teve sua Carteira Nacional de Habilitação (CNH) cassada por dois anos antes de se tornar diretor do Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul (Detran-MS). É falso.
Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:
O petista teve sua carteira de motorista cassada por 2 anos e hoje se tornou diretor do Detran
– Legenda de post que circula no WhatsApp
Falso
Em nota, a assessoria do Detran do Mato Grosso do Sul explicou que João César Mattogrosso — que é filiado ao PSDB e não ao PT — recebeu uma penalidade por excesso de velocidade, resultando na suspensão do direito de dirigir por dois meses — e não de dois anos, como alegado na legenda do post. A informação consta no Diário Oficial do Estado, publicada em 13 de março deste ano (página 42). Segundo a nota, a infração foi cometida por uma outra pessoa que adquiriu a motocicleta que estava registrada em nome do diretor da entidade, e ainda não havia realizado a transferência.
Mattogrosso recebeu o comunicado da penalidade, recorreu e, por isso, não chegou a ter a CNH suspensa devido ao andamento do processo. No momento, a análise do recurso está sendo feita pela junta administrativa. 
"Deste modo, foi apresentado recurso que aguarda análise da Jari (Junta Administrativa de Recursos de Infração), composta por diversos órgãos colegiados, que compõem o Sistema Nacional de Trânsito. Cabe ressaltar que o recurso foi protocolado, antes mesmo dele ser designado para exercer a função de Diretor-Executivo no Detran-MS, no dia 26 de abril", diz trecho da nota. 
Publicação do Diário Oficial do Estado de MS traz penalidade de dois meses a João Cesar Mattogrosso 
O documento do processo ao qual a Lupa teve acesso mostra que Mattogrosso entrou com recurso em 19 de abril deste ano, um dia antes do prazo estabelecido pelo departamento de trânsito, que era de 20 de abril. O diretor assumiu o cargo no Detran em 29 de abril. 
Em entrevista ao portal Campo Grande News, Matogrosso explicou que foi multado por excesso de velocidade, mas que a infração foi cometida por uma motocicleta que ele havia vendido, mas que ainda estava registrada em seu nome. "Foi exatamente o que aconteceu comigo, eu tinha uma moto que me atendia na época de vereador, para facilitar o acesso e diminuir custos de combustível. Eu vendi essa moto e não fiz a alegação de venda no prazo correto, a pessoa tomou multa, eu paguei e nem me toquei, aí chegou à questão do recurso da multa, inclusive estou em fase recursal, apresentei o recurso, mas não estou com minha carteira suspensa", disse. 

Diretor não é petista

A nota da assessoria do Detran também confirma que Mattogrosso nunca foi filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT). "O único partido ao qual foi filiado é o PSDB. João César Mattogrosso iniciou sua trajetória em 2002 no movimento estudantil, nos anos seguintes apoiou candidatura do MDB, e em 2011 se filiou ao PSDB. No partido tucano, foi eleito duas vezes para vereador, e em 2023 assumiu uma cadeira na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul", diz. 
João César Mattogrosso foi vereador de Campo Grande (MS) por dois mandatos (2016 e 2020). Assumiu uma cadeira como deputado estadual na Assembleia Legislativa em 2023, após ficar na suplência. Atuou como secretário-adjunto na Casa Civil, cargo que assumiu em janeiro deste ano. 
João Cesar Mattogrosso eleito vereador pelo PSDB em Campo Grande (MS), nas eleições de 2016

Todos os conteúdos da Lupa são gratuitos, mas precisamos da sua ajuda para seguir dessa forma. Clique aqui para fazer parte do Contexto e apoiar o nosso trabalho contra a desinformação.

LEIA TAMBÉM
Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco.
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


17.07.2024 - 16h16
Internacional
É falso que antifa chamado Mark Violets atirou em Donald Trump

Post alega que o Departamento de Polícia de Butler identificou que o homem que atirou em Donald Trump se chama Mark Violets, um membro da Antifa. A publicação é acompanhada de um vídeo que mostra Violets sobre um telhado supostamente morto. É falso. O homem no vídeo é Thomas Matthew Crooks, morto pelo Serviço Secreto norte-americano.

Maiquel Rosauro
17.07.2024 - 15h12
Política
Agente do Serviço Secreto dos EUA não foi impedido de disparar em atirador de Trump

Circula nas redes o relato de um suposto agente do Serviço Secreto dos EUA chamado Jonathan Willis, afirmando que foi impedido de disparar contra o atirador que tentou assassinar o ex-presidente dos EUA Donald Trump. É falso. O Serviço Secreto esclareceu que não tem nenhum agente com esse nome e classificou a história como “categoricamente falsa”.


Gabriela Soares
17.07.2024 - 15h08
Política
É falso que governo confirmou fim do pagamento de R$ 600 no Bolsa Família

Post alega que Lula confirmou o fim do pagamento de R$ 600 no Bolsa Família. A publicação possui um vídeo no qual uma mulher diz que o ministro Fernando Haddad afirmou que haverá cortes para famílias que recebem benefícios sociais. É falso. O governo não confirma a informação. Haddad não disse que haverá cortes para famílias em benefícios sociais.

Maiquel Rosauro
16.07.2024 - 17h29
Internacional
Homem em vídeo viral não é autor de atentado contra Donald Trump

Homem em um vídeo viral alega ser Thomas Matthew Crooks, o responsável por atirar em Donald Trump em um comício, no sábado (13). É falso. Crooks foi morto pelo serviço secreto após os disparos. O homem no vídeo é um usuário do X que tentou fazer uma trollagem. Ele se arrependeu e disse que o vídeo foi um erro.

Maiquel Rosauro
16.07.2024 - 17h03
Eleições nos EUA
Diretor do FBI não revelou que deputado do partido de Biden mandou matar Trump

Circula nas redes post afirmando que o diretor do FBI descobriu que o atirador que tentou matar Donald Trump foi contratado por um deputado democrata para cometer o crime. É falso. Não há qualquer declaração pública sobre esse suposto fato. As investigações ainda estão no início e não há participação de qualquer outra pessoa no crime, diz o FBI.

Ítalo Rômany
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital