UOL - O melhor conteúdo
Lupa
Vídeo de Lula assumindo que levou 11 contêineres de acervo é anterior a decisão do TCU sobre presentes
10.07.2024 - 17h34
João Pessoa - PB
Circula nas redes sociais post afirmando que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não devolveu os presentes recebidos por ele referentes aos dois primeiros mandatos presidenciais (2003–2010). A publicação traz um trecho de um vídeo em que o próprio Lula afirma que saiu da Presidência com 11 contêineres de acervo. Falta contexto.
Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que esse conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação​:
Lula assume que levou 11 containers do Palácio do Planalto - Veja o vídeo
– Legenda de post que circula no WhatsApp
Falta contexto
O vídeo deturpa uma declaração dada por Lula em 4 de março de 2016 sobre possuir 11 contêineres com bens recebidos por ele referentes aos dois primeiros mandatos presidenciais (2003–2010), sugerindo que o então ex-presidente deixou de devolver os objetos à União. À época, havia um entendimento de que o acervo não precisava ser devolvido, mas deveria ser preservado pelos ex-presidentes. Somente após acórdão publicado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), em setembro de 2016, é que o petista devolveu os presentes recebidos. 
De acordo com a Lei nº 8.394/1991, que foi regulamentada em 2002 pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso através do Decreto nº 4.344/2002, os objetos recebidos em cerimônias oficiais de troca de presentes com chefes de Estado e de governo são considerados patrimônio da União, a não ser em casos de caráter personalíssimo (medalhas personalizadas e grã-colar [condecoração]) ou de consumo (bonés, camisetas, gravata, chinelo, perfumes, entre outros). Presentes oferecidos por cidadãos e entidades costumam permanecer com o ex-presidente.
À época, segundo o Instituto Lula, os documentos que constituíam o acervo presidencial privado eram, na sua origem, de propriedade do presidente da República, "inclusive para fins de herança, doação ou venda". Em seu argumento, o instituto citou a Lei nº 8.394/1991, que de fato afirma, em seu artigo 2º, que "os documentos que constituem o acervo presidencial privado são na sua origem, de propriedade do Presidente da República, inclusive para fins de herança, doação ou venda". "Quando Lula deixou o governo, a Presidência da República catalogou todos os objetos de seu acervo e providenciou a mudança para São Paulo", diz trecho de nota publicada à época pelo Instituto Lula. 
Entretanto, por causa de interpretações diversas sobre quais presentes recebidos deveriam constar como patrimônio da União, o TCU determinou em setembro de 2016 à Secretaria de Administração da Presidência da República e ao Gabinete Pessoal do presidente da República que incorporassem ao patrimônio da União todos os documentos e presentes recebidos pelos ex-presidentes, excluindo apenas os itens de natureza personalíssima ou de consumo próprio. Ou seja, todos os presentes, independentemente de serem entregues em evento oficial ou não, deveriam ficar em acervo da União e não mais de presidentes ou ex-presidentes. 
Somente após acórdão do TCU — que se deu seis meses após a fala de Lula que circula nas redes — que houve, portanto, esse entendimento. Assim, após a decisão do TCU, Lula devolveu inicialmente 360 objetos, que estavam armazenados em um galpão no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo (SP). Outros 74 itens foram considerados perdidos à época, com valor calculado de R$ 199.436,04. Segundo o TCU, em nota encaminhada em checagem anterior, após nova inspeção, restaram apenas 8 bens a serem localizados, cujo valor alcançava R$ 11.748,40. O TCU informa que esse montante foi integralmente recolhido aos cofres da União pelo presidente Lula.
A ex-presidente ​​Dilma Rousseff (PT) realizou a devolução de 111 itens. As peças estavam em Eldorado do Sul (RS), armazenadas em um contêiner na Cooperativa dos Trabalhadores Assentados da Região de Porto Alegre. Os seis itens sumidos de Dilma custariam em torno de R$ 4,8 mil. O TCU considerou o valor como de “baixa materialidade” e não realizou a cobrança.
Checagem similar foi produzida por Aos Fatos e UOL Confere.

Caso Bolsonaro

O trecho do vídeo em que Lula afirma que saiu da Presidência levando 11 contêineres de acervo voltou a circular após o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), retirar o sigilo do relatório da Polícia Federal que pede o indiciamento do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) no esquema de venda ilegal das joias recebidas de autoridades estrangeiras durante seu governo. De acordo com a PF, Bolsonaro teria formado uma associação criminosa para desviar mais de R$ 6 milhões em presentes recebidos por ele em visitas oficiais para outros países enquanto Chefe de Estado. 

Todos os conteúdos da Lupa são gratuitos, mas precisamos da sua ajuda para seguir dessa forma. Clique aqui para fazer parte do Contexto e apoiar o nosso trabalho contra a desinformação.

LEIA TAMBÉM

Nota: Este conteúdo faz parte do projeto Mídia e Democracia, produzido pela Escola de Comunicação, Mídia e Informação da Fundação Getulio Vargas (FGV ECMI) e a FGV Direito Rio em parceria com Democracy Reporting International e a Lupa. A iniciativa é financiada pela União Europeia.
Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco.
Clique aqui para ver como a Lupa faz suas checagens e acessar a política de transparência
A Lupa faz parte do
The trust project
International Fact-Checking Network
A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos.
A Lupa está infringindo esse código? FALE COM A IFCN
Tipo de Conteúdo: Verificação
Conteúdo de verificação de informações compartilhadas nas redes sociais para mostrar o que é falso.
Copyright Lupa. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Leia também


17.07.2024 - 16h16
Internacional
É falso que antifa chamado Mark Violets atirou em Donald Trump

Post alega que o Departamento de Polícia de Butler identificou que o homem que atirou em Donald Trump se chama Mark Violets, um membro da Antifa. A publicação é acompanhada de um vídeo que mostra Violets sobre um telhado supostamente morto. É falso. O homem no vídeo é Thomas Matthew Crooks, morto pelo Serviço Secreto norte-americano.

Maiquel Rosauro
17.07.2024 - 15h12
Política
Agente do Serviço Secreto dos EUA não foi impedido de disparar em atirador de Trump

Circula nas redes o relato de um suposto agente do Serviço Secreto dos EUA chamado Jonathan Willis, afirmando que foi impedido de disparar contra o atirador que tentou assassinar o ex-presidente dos EUA Donald Trump. É falso. O Serviço Secreto esclareceu que não tem nenhum agente com esse nome e classificou a história como “categoricamente falsa”.


Gabriela Soares
17.07.2024 - 15h08
Política
É falso que governo confirmou fim do pagamento de R$ 600 no Bolsa Família

Post alega que Lula confirmou o fim do pagamento de R$ 600 no Bolsa Família. A publicação possui um vídeo no qual uma mulher diz que o ministro Fernando Haddad afirmou que haverá cortes para famílias que recebem benefícios sociais. É falso. O governo não confirma a informação. Haddad não disse que haverá cortes para famílias em benefícios sociais.

Maiquel Rosauro
16.07.2024 - 17h29
Internacional
Homem em vídeo viral não é autor de atentado contra Donald Trump

Homem em um vídeo viral alega ser Thomas Matthew Crooks, o responsável por atirar em Donald Trump em um comício, no sábado (13). É falso. Crooks foi morto pelo serviço secreto após os disparos. O homem no vídeo é um usuário do X que tentou fazer uma trollagem. Ele se arrependeu e disse que o vídeo foi um erro.

Maiquel Rosauro
16.07.2024 - 17h03
Eleições nos EUA
Diretor do FBI não revelou que deputado do partido de Biden mandou matar Trump

Circula nas redes post afirmando que o diretor do FBI descobriu que o atirador que tentou matar Donald Trump foi contratado por um deputado democrata para cometer o crime. É falso. Não há qualquer declaração pública sobre esse suposto fato. As investigações ainda estão no início e não há participação de qualquer outra pessoa no crime, diz o FBI.

Ítalo Rômany
Lupa © 2024 Todos os direitos reservados
Feito por
Dex01
Meza Digital